quinta-feira, 27 de agosto de 2015

A grandeza Histórica de João Maria José Francisco Xavier de Paula Luís António Domingos Rafael de Bragança, Dom João VI, O Clemente, Rei de Portugal e Algarves, Imperador Titular do Brasil, o Pai da Nacionalidade Brasileira,



Introdução a Quinta.



Aqui apelo eu mais uma fez para a Providência Divina, já que eu creio nela com todo o meu coração, e para minha condição e Biblicista, um estudioso da Bíblia Sagrada dos Cristãos:
A Revolução Francesa de 1789 encerrou um Ciclo Histórico e que como toda revolução social ela foi antropofágica, basta analisarmos seus Movimentos, que vão da decapitação de Luis XVI e Maria Antonieta, passando pelo Terror implementado por Maximilien de Robespierre, até as Guerra Napoleônicas. 
Napoleão Bonaparte, por muitos cognominado “ L'enfant favori de la fortune” ( “Filho Favorito da Fortuna”), foi à consequência desse período da Historia de França com grandes reflexos, reflexos inquestionáveis, na Historia da Humanidade e seu Code Napoléon - Código Napoleônico (Code Civil des Français, ou código civil dos franceses) outorgado em 21 de março de 1804 que estabelece o casamento civil (separado do religioso), respeito à propriedade privada, direito à liberdade individual e igualdade de todos ante a lei, a educação pública como meio de formação do comportamento moral, político e social, entre outas coisas, é a prova máxima dessa afirmação.
Porem eu creio que Deus esta no controle absoluto de seu Plano de Salvação da Humanidade e por isso interveem nos acontecimentos quando se faz necessário, já que Deus é Amor e isso aconteceu durante todo esse período, todo esse Ciclo Histórico e obviamente em suas consequências.
Louis Berkhof , um dos mais importantes Teólogo reformados, organizador da Teologia Sistemática em 1932, nos explica que esse Amor é um dos Atributos Comunicáveis de Deus, portanto  ele – o Amor- é "a perfeição de Deus pela qual Ele é movido eternamente à Sua própria comunicação" e assim sendo “ em virtude de Sua Santidade Divina, o Senhor nosso Deus "ama as Suas criaturas racionais por amor a Si mesmo, ou, para expressá-lo doutra forma, neles Ele se ama a Si mesmo, Suas virtudes, Sua obra e Seus Dons".
Ora, como Ele ama “Sua Obra e Seus Dons” não poderia deixar de inserir-Se quando necessário na vida das criaturas por Ele criadas, nos a Humanidade, e aproveitando dos Dons que deu a cada um influenciar de maneira contundente em sua Historia.
Foi sua Vontade Permissiva que deixou acontecer a Revolução Francesa, Napoleão, suas guerras e seu Code, a loucura de Dona Maria I, a acessão de Dom João como Príncipe Regente, a ganância calvinista dos ingleses, a transmigração da Corte e do Governo, e por fim a fundação da Nação Brasileira, do Brasil como um País livre e soberano, por esse Príncipe da Casa de Bragança.
Se Dom João não viesse para o Brasil o nosso destino poderia ser tão sangrento quanto foram e ainda são de outros países colonizados pelos europeus.
Agradeço a Deus por tudo isso e é por isso que escrevo esse Ensaio na esperança de todos que o ler possam refletir na grandeza Histórica de João Maria José Francisco Xavier de Paula Luís António Domingos Rafael de Bragança, Dom João VI, O Clemente, Rei de Portugal e Algarves, Imperador Titular do Brasil, o Pai da Nacionalidade Brasileira, o primeiro Soberano descendente de uma milenar Dinastia Europeia a ser Aclamado nos Trópicos, e o mais notável morador da Quinta da Boa Vista na Mui Leal e Heroica Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.
São Paulo, fevereiro de 2012


Jorge Eduardo