terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

126 - Pedro, o Grande,3 - Conversa – os Imperadores da Rússia


Com Sophia derrotada, Pedro vai para Moscou.
Nessa altura Ivan V, o “rei mais velho”, já estava manifestando sinais de decrepitude, descrito pelos embaixadores estrangeiros como senil, paralítico, quase cego.
Porém, Pedro o honrou até o fim de sua vida.
Em uma cerimônia na Catedral de Assunção Ivan V transmiti a Pedro o “rei mais novo”, todo o Poder para governar.
Ivan V se recolhe com sua fiel e brava esposa, czarina Praskovya Fyodorovna, para uma vida de oração e jejum, vindo a morrer em 29 de janeiro (08 de fevereiro) de 1696, data na qual Pedro passa ser incontestavelmente o único Soberano, Czar e Grande Príncipe de toda a Rússia.
Praskovia Fyodorovna, a czarina- viúva de Ivan V, tinha boa convivência com seu cunhado Pedro e ela era que estava presente nas recepções oficiais.
Pedro não constava da burocracia do dia a dia e delegou a sua mãe, Natalia Kirillovna, a administração governamental.
Ela nomeou seu irmão Lev Kirillovich Naryshkin e o Príncipe Boris Alekseevich Golitsyn, amigo e professor de Pedro, como os principais executivos
Pedro continuava a morar em Pereyaslavl e não foi consultado em alguns casos de extrema importância (inclusiva não renovação do Estado de Guerra com o Império Otomano), o que revoltou ao jovem Czar, mas apesar disso quando da morte da mãe ele continuou com os dois auxiliares.
Assim que pode Pedro continuou a Guerra com o Império Otomano, e resolveu atacar a Fortaleza turca de Azov, localizado na confluência do rio Don ao Mar de Azov.
A primeira campanha, 1695, foi um fracasso, “devido à falta de frota marítima e a relutância do exército russo para operar longe de suas bases de abastecimento”.
Pedro deu ordens para a construção de barcos de guerra no Estaleiro/ Almirantado de Voronezh, e de onde saiu o primeiro vaso de guerra da Marinha Russa, Гото Предестинация, que ficou conhecido como em inglês como God's Predestination, e em português a Providencia de Deus.
Segundo consta do Estaleiro/ Almirantado de Voronezh entre “1696 - 1711 anos foram construídos em torno de 215 navios”.
Mais, Pedro teve problemas com antigos mestres construtores estrangeiros e os mandou embora, esse “aborrecimento” deu mais força as ideias do Czar de que tinham que ir ao estrangeiro buscar mão de obra qualificada para tal iniciativa, ou seja, a construção de uma forte Marinha de Guerra Russa.
O posto e generalíssimo era desconhecido na Rússia, mas para a Guerra contra os otomanos o Czar Pedro nomeou um, que foi Алексей Семёнович Шеин, ou Alexey Shein, um boiardo, antigo voivode em Tobolsk e em Kursk, que tinha como comando as forças terrestres.
Em pouco tempo construiu uma frota de navios e em maio de 1696, o exército russo, com 40.000 homens, sob o comando do Generalíssimo Aleksei Shein sitia a Fortaleza de Azov.
A bordo do “A Providencia de Deus,” com 58 canhões, três mastros, estava o czar Pedro vestindo um uniforme de Capitão.
No dia 19 de julho de 1696, sem esperar a tempestade que se aproximava, e que seria uma situação péssima para os russos, a Fortaleza turca de Azov se rendeu.
O resultado das campanhas de Azov foi além da captura da Fortaleza, a fundação da cidade e construção do porto de Taganrog, em Taganrog - uma cidade na região de Rostov, importante porto na costa do Mar de Azov- que possibilitaria um ataque na península da Criméia a partir do mar, e o aumento da proteção das fronteiras meridionais da Rússia.
E repito:
Pedro compreendeu o que já sabia, ou seja, que a Rússia necessitava muito do know, da expertise, do conhecimento, da mão de obra, dos estrangeiros, e resolveu enviar nobres para estudar na Europa Ocidental, tomando a decisão dele, também viajar.
Para garantir sua viajem tranquila para Europa, e para tratar de assuntos pendentes no norte da Rússia com a Suécia, Pedro despachou para Istambul uma embaixada “para negociar a paz” a bordo do navio de guerra «Кре́пость», Fortaleza, com 46 canhões, três mastros, 110 pessoas a bordo.
O Fortaleza chegou a capital do Império Otomano em 7 de setembro de 1699.
Vendo tal vaso de guerra, o Sultão de Constantinopla ficou convencido de que era melhor assinar a paz com Soberano, Czar e Grande Príncipe de toda a Rússia.
11 meses depois da chegada do Fortaleza, em 3 de julho (14) de 1700, foi assinado o Tratado de Constantinopla de 1700, que por seus termos garantia uma paz por 30 nos.
Pelo tratado Pedro podia abrir a embaixada russa junto ao Sultão.
Pelo tratado prisioneiros russos seriam libertados.
Pelo tratado o Sultão ficaria neutro em caso de guerra de Pedro contra a Suécia e seus aliados. 
Pelo tratado a fortaleza de Azov, com o território adjacente, Taganrog, Pavlovsk, Mius, passariam a soberania russa.
Pelo tratado o Sultão voltava a ter soberania sobre parte da área do Dnieper ocupada por tropas russas com pequenas fortalezas turcas, que estavam sujeitas à destruição imediata.
Pelo tratado o Czar e o Sultão se comprometiam a não construir novas fortificações na zona fronteiriça, para não permitir invasões armadas.
 A paz de 30 anos não durou nem 10 anos, pois o Sultão declarou a guerra à Rússia em novembro de 1710.
 Contudo depois do Tratado de Constantinopla começou a Grande Guerra do Norte que durou de 22 de fevereiro de 1700 até 10 de setembro de 1721.
A causa foi a hegemonia sobre o Mar Báltico e busca do aumento da influência geopolítica na região. 
Os beligerantes foram:
De um lado:
Império sueco, Ducado de Schleswig-Holstein-Gottorp Holstein, Comunidade Polaco-Lituana, República Autónoma da Crimeia, Canato da Crimeia, Moldávia, Valáquia, Hetmanato cossaco (Os Cossacos de Zaporizhia, adentram no território ucraniano e após a assinatura de um tratado com Comunidade Polaco-Lituana foram reconhecidos como Estado), República Holandesa República Holandesa, Reino da Grã-Bretanha, e por fim Império otomano.
Do outro lado:
A Rússia czarista, a união dinamarquesa-norueguesa, os eleitores da Saxônia, ducado da Curlândia e Semigália, principado da Moldávia, o reino da Prússia, o eleitores de Hanover, o senhor de Montenegro, o canato de Kalhank, o exército de Zaporozhye.
Resultado:
A vitória da coalizão anti-sueca:
De um lado o Império Sueco que com a derrota findou, acabou.
Do mesmo lado a Comunidade Polaco-Lituana que com a derrota fincou enfraquecida em veio acabar em 1768 sendo um Protetorado do Império Russo.
Significado de Protetorado: Situação de um Estado estrangeiro que é colocado sob autoridade de outro Estado, principalmente no que concerne às relações exteriores e à segurança. Os protetorados possuem geralmente alguma autonomia, mas a nação "protetora" tem a palavra final nos assuntos importantes. As potências protetoras conduzem todas as relações externas do protetorado, além de manipularem sua defesa e suas finanças.
Do outro e o mais importante:
A Rússia retorna ao Mar Báltico e é declarada um Império.
Foram assinados os seguintes Tratados:
Tratado de Nystad assinado em 10 de setembro de 1721: Rússia ganha os domínios da Estônia, Livônia e Íngria, além de partes de Kexholm e Viborg;
Tratados de Estocolmo são dois tratados assinados em 1719 e 1720: Prússia ganha parte da Pomerânia sueca. Hanôver ganha os Ducados de Bremen e Verden;
Tratado de Frederiksborg de 14 de julho de 1720: Holstein-Gottorp perde sua parte do Ducado de Schleswig para a Dinamarca
 E em sendo assim concluímos que Pedro Alexeievich Romanov o ultimo Soberano, Czar e Grande Príncipe de toda a Rússia desde 27 de abril (7 de maio) de 1682 por direto de conquista podia se elevado ao rango de Imperador e o Autocrata de toda a Rússia como foi em 22 de outubro (2 de novembro) de 1721.
O trágico destino do Fortaleza:
Nada mais triste do que a visão de um navio abandonado, de um barco abandonado, de um escaler abandonado, chega a ser melancólica.
O "Fortaleza" , um dos " navios bárbaros ", foi o primeiro navio russo que fez o cruzamento do Mar Negro a Istambul .
O lema do navio era Они избили меня, но они также помогают мне, T.L.: "Eles me bateram, mas eles também me ajudam"
De três mastros da 3ª posição . O comprimento do navio era de 37,8 metros, largura - 7,3 metros e o rascunho de 4 metros. O armamento do navio em vários momentos era de 46 a 52 armas, e a tripulação consistia em 110 pessoas.

O navio foi construído no estaleiro Panshinsky em 1699 e, após o seu lançamento, entrou na frota Azov da Rússia. 
Transportou o  embaixador russo Yemelyan Ignatievich Ukraintsev , um diplomata, de Azov para Istambul . 
Em junho de 1700, o navio voltou para Azov trazendo 170 soldados russos capturados pelos turcos durante as campanha de Azov.
Em 1704, o "Fortaleza" foi colocado em dique para reparos. 
Em maio de 1709, o navio, por decreto de Pedro I, foi puxado em terra e preservado "para a glória da Marinha Russa" .
Em abril de 1710,  ele estava podre  e em 1711, depois o foi abandonado em Azov quando a cidade foi entregue aos turcos .
Que tristeza.