terça-feira, 27 de setembro de 2016

História de Portugal que, também, é do Brasil – Segunda Parte.


Brasão do Infante D. Fernando
1.º Duque de Beja e 2.º Duque de Viseu, etc.

Por
Jorge Eduardo Garcia
Filosofo e historiador.
27 de setembro de 2016


O Infante Dom Henrique, da Casa de Avis, cognominado “o Navegador”, “ deixou como seu principal herdeiro o seu sobrinho, em bens, cargos e títulos, o segundo filho de seu irmão o Rei D. Duarte, já falecido, o Infante D. Fernando, Duque de Beja”.
A bem da verdade Dom Henrique fez de Dom Fernando seu filho adotivo em 1436, além é claro de ser o seu Herdeiro principal, pois tinham em comum um espirito aventureiro e um amor pela navegação.
O Infante Dom Fernando era o segundo filho de Duarte I, "o Eloquente", "o Rei-Filósofo", que reinou de 4 de agosto de 1433 até 9 de setembro de 1438, decimo primeiro Rei de Portugal e o segundo da Dinastia de Avis, e da Rainha Dona Leonor de Aragão, nascida Infanta de Aragão, pois era filha de Dom Fernando I (Fernando de Trastámara, o primeiro Rei de Aragão da dinastia castelhano do Trastámara), Rei de Aragão, de Valencia, de Mallorca, de Sicilia, de Cerdeña y de Córcega, Duque de Neopatria e de Atenas, Conde de Barcelona, de Roussillon e de Cerdaña, Regente de Castela,  e de Doña Leonor Urraca Sánchez de Castilla, III Condessa de Albuquerque, chamada de la Rica Hembra (Rica Fêmea).
Dona Leonor era irmã de Dom Alfonso o Magnânimo (* Medina del Campo, Valladolid, Berço dos Reis de Aragão, em 1394 - + Nápoles, 27 de junho de 1458), Rei de Aragão com o nome de Alfonso V, e Rei de Nápoles e Sicília com o nome de Alfonso I.
Com tanta nobreza Dom Fernando, que nasceu em Almeirim, no Alentejo, em 17 de novembro de 1433, recebeu no berço o título de Infante de Portugal, em 1453 o senhor Dom Afonso V, seu irmão, concedeu-lhe os títulos de 1.º Duque de Beja e 1.º Senhor de Moura, com a morte do tio Henrique foi elevado a 2.º Duque de Viseu e a 2.º Senhor da Covilhã, sendo ainda o 6.º Condestável de Portugal e Mestre da Ordem de Cristo.
Com 19 anos, em 1452, resolveu se aventurar pelo mundo “ segundo uns para combater os mouros, segundo outros para se juntar a seu tio materno, o Rei Afonso I de Nápoles, na esperança de poder vir a herdar aquele reino do irmão da mãe que não tinha filhos legítimos”.
El Rey Dom Afonso V soube da fuga e deu ordens a Dom Sancho de Noronha, 1.º Conde de Odemira, Governador de Ceuta e comandante da frota portuguesa que patrulhava o estreito de Gibraltar, para interceptar o Infante e escoltá-lo de regresso a Portugal.
“ Em1458 acompanhou o Dom Afonso V, na expedição portuguesa que conquistou a cidade marroquina de Alcácer Ceguer, cujo nome oficial em grafia latina é Ksar es-Seghir ou Ksar Sghir, vila costeira do norte de Marrocos, na costa acidentada do estreito de Gibraltar, entre Tanger e Ceuta, na região histórica de Jebala, na margem direita da foz do rio Ceguer”.
“ Em 1468, comandou a esquadra que conquistou e destruiu o porto de Anafé (hoje denominado de Anfa e integrado a famosíssima cidade de Casablanca) que era uma base de piratas”.
Dom Fernando foi Príncipe herdeiro de Portugal de 1438 até 1452, e foi, também, sucedendo ao Infante Dom Henrique, Mestre da Ordem de Cristo, a Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo, que foi herdeira das propriedades e privilégios da Ordem do Templo, dos Templários, em Portugal.
 O Infante Dom Henrique “investiu os rendimentos da Ordem na exploração marítima, por isso em 1454 e 1456 através das Bulas de Nicolau V e Calisto III, foi estabelecido o direito espiritual sobre todas as terras descobertas, sendo sua sede diocesana a Igreja de Santa Maria dos Olivais, também referida como Igreja de Santa Maria do Olival, localiza-se na margem esquerda do rio Nabão, na cidade de Tomar, distrito de Santarém, em Portugal, erguida  no século XII como sede da Ordem dos Templários no país, tendo servido como panteão dos Mestres da Ordem”.
Por essas “ Ordenanças da Igreja Católica” o senhor Infante Dom Fernando passou a ser de facto o responsável pelos Descobrimentos para o Reino de Portugal.
Participou de algumas expedições na costa da África, mas o importante é que realizou “ reconhecimento da costa atlântica da própria América, um fato reconhecido na época, dentro de um pequeno círculo de navegadores, e cujo feito, na altura, chegou a constar de um pleito contra os direitos de Colombo a favor de seus companheiros de viagem”.
Casou-se com a sua prima, Beatriz de Portugal, filha do seu tio João, Infante de Portugal, em 1447, e tiveram nove filhos, a saber:
1-     Dom João de Viseu (1448-1472), terceiro Duque de Viseu, segundo Duque de Beja;
2-     Dom Diogo de Viseu (1450-1484), quarto Duque de Viseu e terceiro Duque de Beja;
3-     Dom Duarte de Viseu;
4-     Dom Dinis de Viseu;
5-     Dom Simão de Viseu;
6-     Dona Leonor de Avis ou Leonor de Portugal ou Leonor de Lencastre ou Infanta Leonor, e mais recentemente, no estrangeiro, "Leonor de Viseu" , (1458-1525), casou com Dom João II, Rei de Portugal, e tornou-se Rainha de Portugal;
7-     Dona Isabel de Viseu (1459-1521), casada com Fernando II, Duque de Bragança;
8-     Dom Manuel, Duque de Viseu e de Beja, como Dom Manuel I, o Venturoso, foi Rei de Portugal, após a morte do seu primo e cunhado Dom João II, Rei de Portugal;
9-     Dona Catarina de Viseu.

Dom Fernando morreu em 18 de setembro de 1470, com 36 anos, em Setúbal, a "notável villa" um título concedido, em 1525, por D. João III, uma cidade “ ligada sobretudo à indústria naval e ao comércio marítimo, tirando rendimentos elevados com os direitos cobrados pela entrada no porto”, no Reino de Portugal”.

Continua...