sábado, 9 de janeiro de 2016

Carlota Joaquina, Segunda Parte

Carlota Joaquina, A Megera de Queluz
Uma portadora do “ Sinal da Maldade”

Antes da leitura comparem essas pinturas, pois nela além da degeneração normal da idade existem os traços finos da maldade em todo a sua pujança.
1-     Dona Carlota, Infanta- consorte de Portugal, recém-casada com 10 anos e picos;
2-     Dona Carlota Joaquina em 1815, ainda Princesa- Regente consorte do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves Portugal;
3-     Dona Carlota, em 1817 já Rainha consorte do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia, etc., pintada por Nicolas-Antoine Taunay (Paris, 10 de fevereiro de 1755 — Paris, 20 de março de 1830 pintor que fez parte da Missão Artística Francesa, chegando ao Brasil em 1816.




Comecemos:

O neto de Luís XIV, Philippe de France, Duc d'Anjou, Petit-Enfant de France, em
16 de novembro de 1700 se tornou Felipe V de España, Rey de España, Nápoles, Sicilia y Cerdeña, duque de Milán y soberano de los Países Bajos.


Felipe V casou duas vezes, mas o que nos interessa é o segundo matrimonio, com Isabel de Farnesio, em italiano: Elisabetta Farnese, segunda filha do Príncipe-herdeiro do Ducado de Parma, Eduardo Farnesio, e de sua esposa, Doroteia Sofia de Neuburgo, em 24 de dezembro de 1714, e que tiveram treze filhos, mas apenas sete (7) filhos se tornaram adultos, entre eles:
1-     Carlos III (1716 - 1788), Rei de Espanha e das Duas Sicílias:
Sobre Carlos III , cognominado “ o Político", bem como «el Mejor Alcalde de Madrid» (o melhor prefeito de Madrid), Rey de España, Rey de Nápoles y de Sicilia, Duque de Parma, Plasencia y Castro, casou por procuração em 8 de maio de 1738 com Maria Cristina Amália da Saxônia ( Maria Amalia Christina Franziska Xaviera Flora Walburga),  filha de Augusto Frederico II, duque da Saxônia e da Lituânia, mais tarde rei da Polônia, e da arquiduquesa austríaca Maria Josefa, filha do imperador José I, Sacro Imperador Romano-Germânico.
Nasceu entre esse Casal Real uma agradável amizade, e eles foram pais de Felipe Antonio, Infante da Espanha e Duque de Calábria, foi excluído da sucessão dos Tronos de Espanha e Nápoles por causa de sua condição mental, já que sofria de terríveis ataques epilépticos, além do que sua cabeça era enorme, desproporcional ao corpo, o que fazia com que ele tivesse dores de cabeça tremebundas.
Depois da exclusão do primogênito Carlos Antonio Pascual Francisco Javier Juan Nepomuceno José Januario Serafín Diego de Borbón, o segundogênito varão, foi elevado a condição de Príncipe da Astúrias, portanto Herdeiro do Trono de Espanha, Índias, etc...de quem falaremos mais abaixo como Su Católica Majestad Carlos IV, Rey de España, etc..
2-     Mariana Victoria (1718 - 1781), Rainha de Portugal, esposa de Dom José I;
3-     Felipe (1720 - 1765), Duque de Parma, Guastalla y Plasencia, Infante de España.
Sobre Filippo I di Borbone, nascido L'Infante di Spagna, Almirante General de España e Indias, Grande de Espanha, depois Duca di Parma, Piacenza e Guastalla, fundador do ramo da Bourbon-Parma, da Casa de Bourbon da Dinastia Capeto, a mais antiga dinastia da Europa.
Em Alcalá de Henares, no dia 25 de outubro de 1739, se casou com Marie-Louise-Élisabeth de France, fille de France, Madame Royale, « Madame Première », filha de Luís XV e de Marie Leszczyńska. Desse casamento infeliz nasceram três (3) filhos, mas a que nos importa é a última Luisa Maria Teresa Anna di Borbone-Parma, ou simplesmente María Luisa de Parma.


E os primos carnais pelo lado paterno, e parentes próximos pelo lado materno, Carlos IV, Rey de España, e Luisa Maria Teresa Anna di Borbone-Parma, ou simplesmente María Luisa de Parma, se casaram em 4 de setembro de 1765 no Palácio Real de La Granja de San Ildefonso, uma das residências da família real espanhola, localizado na cidade Segóvia, no Real Sitio de San Ildefonso.
Infelizmente sabemos que os casamentos entre primos carnais, e de parentes com certos genes defeituosos, na maioria das vezes geram filhos com doenças genéticas.  
Parece que não deu outra.

Oficialmente os Reis tiveram os seguintes filhos e abortos:
1-    Carlos Clemente (19 de setembro de 1771 - 7 de março de 1774), morreu aos 2 anos de idade;
2-     Carlota Joaquina (25 de abril de 1775 - 7 de janeiro, 1830), Rainha de Portugal;
3-     Um aborto de uma menina no quarto mês de gravidez (19 de dezembro de 1775);
4-     Um aborto de uma menina no 6º mês de gravidez (16 de agosto de 1776);
4-     Maria Luisa (11 setembro de 1777 - 02 de julho de 1782), morreu com 4 anos de idade;
5-     Um aborto no 1 primiro mês de gravidez (22 de janeiro 1778)
6-     Maria Amália (9 de janeiro 1779 a 22 do julho de 1798), casada com seu tio Antonio Pascual de Borbón y Sajonia (Antonio Francisco Javier Pascual Juan Nepomuceno Angel Silvestre Raimundo de Bourbon e Saxônia), Infante de Espanha, filho de Carlos III e irmão mais novo de Carlos IV, em 25 de agosto de 1795, que não tiveram filhos, e o casamento durou três anos com a morte da Infanta. De acordo com Benito Pérez Galdós, o Infante viúvo :"costuma ocupar os seus tempos livres entre os ofícios de carpinteiro e encadernador com o cultivo da arte de tocar flauta de pã (...) nunca vi uma figura melhor humorada. Tinha o costume de cumprimentar toda a gente por quem passada com a mesma solenidade e cortesia (...) que era quase possível confundi-lo com qualquer sacristão de uma paróquia. Era, de entre todos os membros da família real, aquele que me parecia ter melhor carácter. Mais tarde percebi que me tinha enganado quando o julgava o mais benévolo dos homens."
7-     Carlos Domingo (05 de marco de 1780 - 11 de junho de 1783), morreu com 3 anos de idade;
8-     Um aborto de uma criança no quarto mês de gravidez e meio (17 de janeiro de 1781);


9-     María Luisa de España, ou María Luisa de Borbón, também conhecida como Marie-Louise-Joséphine, em homenagem a Imperatriz dos Franceses (06 de julho de 1782 - 13 de março de 1824), casada com Louis de Bourbon-Parma, Duque de Parma e Rei da Etruria. Ambiciosa não se importou com a divisão de Portugal, reino de sua irmã mais velha, desde que um pedaço do território luso fosse dado a seu marido e a ela.
E assim constou no artigo primeiro do Tratado de Fontainebleau assinado em secreto pela França e Espanha, em 27 de outubro de 1807: “ — A província de Entre Douro e Minho, com a cidade do Porto, se trespassará em plena propriedade e soberania para Sua Majestade o Rei da Etrúria, com o título de Rei da Lusitânia Setentrional”.
10- Carlos Francisco (05 de setembro de 1783 - 11 de novembro de 1784) gêmeo de abaixo, morreu com 14 meses;
11- Felipe Francisco (05 de setembro de 1783 - 18 de outubro de 1784) gêmeo do acima, morreu com 13 meses.


12- Fernando VII (14 de outubro de 1784 - 29 setembro, 1833), Rei de Espanha. Fernando Maria Francisco de Paula Domingo Vicente Ferrer Antônio José Joaquim Pascoal Diego João Nepomuceno Januário Francisco Xavier Rafael Miguel Gabriel Calisto Caetano Fausto Luís Raimundo Gregório Lourenço Gerônimo tornou-se Rei da Espanha em 17 de março de 1808 quando da abdicação forçada do pai. Enquanto Príncipe das Astúrias, procurou o apoio de Napoleão para preservar os seus direitos ao trono, que calculava estarem ameaçados por Godoy. Mergulhou a Espanha na anarquia e guerra civil. As tropas de Napoleão, comandadas por Murat, ocuparam Madrid e o Imperador mandou que a família real fosse para Bayonne, obteve a abdicação de Carlos IV, obrigou Fernando a assinar a sua própria abdicação e prendeu-o no confortável castelo de Valençay até dezembro de 1813. Napoleão Bonaparte colocou no trono seu irmão, José I. Tal situação provocou a Guerra da Independência. Quando o conflito terminou, Fernando foi reposto no cargo pelo Tratado de Valença (1814) e regressou a Espanha. Anticonstitucionalista, como a irmã, Carlota Joaquina, queria restaurar a Velha Ordem, com o Poder Absoluto dos Reis, mas não percebia que vivia num mundo novo. As colônias espanholas da América (México, Argentina, Chile e outras), entretanto, emanciparam-se. Outras, como o Paraguai, já eram independentes e outras como Cuba e Porto Rico permanecerem colónias. 

   Revogou a Lei Sálica e assim sua filha primogênita María Isabel Luisa de Borbón y Borbón-Dos Sicilias no Trono com o nome de Isabel II, que segundo consta era ninfomaníaca como a Tia Carlota. Como desculpas para seus casos afirmava que seu primo e marido Francisco de Asís de Borbón, era homossexual e “tuvo únicamente una pareja estable, Antonio Ramos Meneses”, e com isso o pau comia nos Palacios Reais de Espanha. Dom Fernando casou por segunda vez em Madrid em 29 de setembro de 1816 com a sobrinha filha de Carlota Joaquina e Dom João VI, Dona María Isabel de Portugal, María Isabel de Braganza y Borbón. Pela quarta vez com em 20 de outubro de 1819 com sua parenta Maria Josefa Amália de Saxe Wettin (nascida em Dresden em 1803 e morta em 1829 em Aranjuez, aos 25 anos). Tinha 16 anos e era filha de Maximiliano I, Rei de Saxe, e de Carolina Maria de Parma. Casava de novo aos 34 anos, tinha gota, abusava do consumo do tabaco e do alcool, a coroa não tinha herdeiro direto. Essa é a mãe de Isabel II, a ninfomaníaca..

13- Carlos María Isidro de Borbón y Borbón-Parma (29 de março de 1788 – no exilio em Trieste, norte da península italiana, na época possessão austríaca em 10 de março de 1855), extremamente reacionário, extremamente ambicioso, não aceitou a La Pragmática Sanción de 1830, através da qual seu irmão Fernando VII abolia a Lei Sálica, restaurado, assim, o sistema tradicional de sucessão de Afonso X de Castela, segundo a qual as mulheres poderiam reinar. Ao morrer Fernando VII em 29 de setembro de 1833, Carlos publicou o celebre “Manifesto de Abrantes” de 1 de outubro, no qual se declarava o legitimo Rei de Espanha por Direito Divino. Em 6 de outubro o General Santos Ladrón de Cegama proclamou Carlos como Rei de Espanha, na cidade de Tricio (La Rioja), dando início a Primeira Guerra Carlista, uma guerra civil que teve lugar em Espanha entre 1833 e 1840. De um lado os carlistas, partidários do Infante e do Regime Absolutista, do outro os partidários e defensores de Isabel II e da Regente Maria Cristina de Borbón, cujo governo tornou-se liberal para ganhar o apoio popular. Casou com duas sobrinhas filhas de Dona Carlota Joaquina e de Dom João VI: Primeiro em Madrid, em 4 de setembro de 1816 com Dona Maria Francisca de Assis de Bragança. Viúvo casou em fevereiro de 1838 com sua cunhada, Princesa da Beira, Infanta de Portugal, Dona Maria Teresa de Bragança, aliada de Dom Miguel, nascida em Queluz em 1793 e morta em Triste 17 de Janeiro de 1874, viúva de Don Pedro Carlos, Infante de Espanha, filho do Infante Gabriel (filho do Rei Carlos III da Espanha). Assumiu o no exílio o Título de Conde de Molina.

14-     María Isabel de Borbón y Borbón-Parma (06 de julho de 1789 - 13 de setembro de 1848). Casada com seu primo Francisco I, Rei das Duas Sicílias de 4 de janeiro de 1825 - 8 de novembro de 1830 (dia de sua morte) portanto 5 anos 10 meses e 4 dias. São os pais de Donna Teresa Cristina Maria Josefa Gaspar Baltasar Melchior Januária Rosalía Lúcia Francisca de Assis Isabel Francisca de Pádua Donata Bonosa Andréia de Avelino Rita Liutgarda Gertrude Venância Tadea Spiridione Roca Matilde, simplesmente Dona Teresa Cristina, Imperatriz Consorte do Brasil, por seu casamento com Dom Pedro II. Dona María Isabel de Borbón viúva e com 50 anos casou em 5 de janeiro de 1839 com Francesco del Balzo dei Duchi di Presenzano com 30 anos, fato que por si só demostra seu apetite sexual;
15- Um aborto no 1 mês de gravidez (4 de dezembro de 1789);
16- Um aborto no 1 mês de gravidez (30 de janeiro 1790);
17- Um aborto no 1 mês de gravidez (30 março 1790);
18- Maria Teresa (16 de fevereiro de 1791 - 02 de novembro de 1794 de varíola os 3 anos de idade);
19- Felipe Maria (28 de março de 1792 - 01 de março de 1794 com quase 2 anos);
20- Um aborto de uma criança no quinto mês de gravidez e meio (11 de janeiro de 1793);



21- Francisco de Paula Antonio de Borbón y Borbón-Parma, Infante de España, Duque de Cádiz, caballero del Toisón de Oro, miembro honorario y meritorio de la Real Academia de Bellas Artes de San Fernando y dejó pintados varios cuadros de valía. Fue también protector de la Sociedad Económica de Amigos del País de Madrid, presidente de la Masonería española como Gran Maestro del Gran Oriente Nacional de España y Hermano Mayor de la Real Maestranza de Caballería de Zaragoza. Nasceu em 10 de março de 1794 – 13 de agosto de 1865). Casado com sua sobrinha, Luisa Carlota de Borbón-Dos Sicilias, filha de sua irmã María Isabel de Borbón e de Francisco I de las Dos Sicilias. Seu primogénito, Francisco de Assis de Borbón, se casou com Isabel II, Rainha de España. Sexualmente muito ativo “envolveu-se em um escândalo, pois foi encontrado de olhos vendados enquanto participava de jogos sexuais com duas mulheres. Por fim, aos cinquenta e oito anos de idade, o infante contraiu um casamento morganático, em 19 de dezembro 1852, em Madrid. Pouco se sabe sobre sua segunda esposa, Teresa de Arredondo y Ramirez de Arellano, exceto que ela era de Múrcia e que era uma boa dançarina, e tiveram um filho, Ricardo María de Arredondo, primeiro e único Duque de San Ricardo.
22-  Um aborto de uma criança no quarto mês de gravidez e meio (20 de março de 1796);
23- Um aborto em 1799

“ Nenhuma outra consorte espanhola foi tão odiada, acusada ou abusada como a moralmente corrupta Maria Luisa. Teve numerosos amantes enquanto seu marido se ocupava em armar e desarmar relógios.
Os nomes adiantados são Juan Pignatelli, o Conde de Teba, Augustín de Lancaster, o Conde de Montijo, Diego Godoy, o Primeiro Secretário do Despacho Luís de Urquijo e outros jovens guardas de Corpo de Guarda, entre os quais o venezuelano Mallo.
Um dos amantes, o mais famoso deles, foi Manuel Godoy (Badajoz, 12 de maio de 1767-4 de outubro de 1851 em Paris), apelidado “El Choricero”, chegou a ser Príncipe da Paz, serviu como Primeiro Ministro por anos. Sua paixão pelo jovem Manuel foi a causa dos vários problemas da Espanha da década de 1790 à primeira década do XIX”.



Ora, Doña María Luisa, “ una mujer fea, llena de vicios y dada la grosería”, mas Reina consorte de España, era neta de Luís XV, famoso por sua grande atividade sexual, portanto estava em sua genética gostar tanto dos prazeres do sexo, e tendo um marido que até hoje os pesquisadores não souberam definir sua opção sexual, se era ou não bom de virilha, ela tinha que arrumar amantes.
Quem puxa ao seu não degenera, Luís XV teve 10 filhos com a Rainha Maria Leszczyńska, e comprovadamente além de um caso homo afetivo aos 14 anos, as seguintes senhoras oficialmente, fora os biscates:
1-    Louise Julie de Mailly-Nesle, comtesse de Mailly (1710-1751)
2-    Pauline Félicité de Mailly-Nesle, comtesse de Vintimille (1712-1741)
3-    Diane Adélaïde de Mailly-Nesle, duchesse de Lauraguais (1713-1760)
4-    Marie-Anne de Mailly-Nesle, marquise de la Tournelle, duchesse de Châteauroux (1717-1744)
5-    Jeanne-Antoinette Poisson, mariée Le Normand d'Etioles, marquise de Pompadour (1721-1764)
6-    Marie-Louise O'Murphy dite La belle Morphyse ou Mademoiselle de Morphyse ou Mademoiselle O'Murphy (1737-1814)
7-    Françoise de Châlus, duchesse de Narbonne-Lara (1734-1821)
8-    Marguerite-Catherine Haynault, marquise de Montmélas (1736-1823)
9-    Lucie Madeleine d'Estaing (1743-1826)
10-                      Marie Anne de Mailly-Rubempré marquise de Coislin (1732-1817)
11-                      Anne Couppier de Romans, baronne de Meilly-Coulonge (1737-1808)
12-                      Louise-Jeanne Tiercelin de La Colleterie, dite Madame de Bonneval (1746-1779)
13-                      Irène du Buisson de Longpré ( ?-1767)
14-                      Catherine Éléonore Bénard (1740-1769)
15-                      Marie Thérèse Françoise Boisselet (1731-1800)
16-                      Jeanne Bécu de Cantigny, comtesse du Barry (1743-1793)

Ora, não é de se estranhar a conduta de sua neta, a Rainha de Espanha.
Ora, não é de se estranhar a conduta de sua neta, a Rainha de Espanha.
“ Nenhuma outra consorte espanhola foi tão odiada, acusada ou abusada como a moralmente corrupta, portanto com o “ Sinal da Maldade”, do que Doña María Luisa, “ una mujer fea, llena de vicios y dada la grosería”, mas Reina consorte de España, era neta de Luís XV. Teve numerosos amantes enquanto seu marido se ocupava em armar e desarmar relógios”.

Repito que ela tinha o “ Sinal da Maldade”, sinal esse que transmitiu aos filhos, principalmente a Dona Carlota Joaquina.




Fim da Segunda Parte