quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

NAPOLEÃO versus Dom João





Napoleão versus Dom João


Napoleão que odiava a Casa de Bragança porque sabia que Dom João sempre se manteria fiel aos seus princípios Monárquicos Milenares, isso com os ecos das lideranças de chefes tribais, o que configurava em pleno o Direito Divino dos Reis ou o Mandato do Céu, numa uma especial ligação com Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o único Rei verdadeiramente Sagrado,  e além de pela Fé contarem com as bênçãos de Maria Santíssima, nomeadamente com Nossa Senhora da Imaculada Conceição, Rainha e Padroeira de Portugal, portanto fiel aos Direitos da senhora sua Soberana, e mais, um ferrenho defensor de sua Dinastia, a Dinastia de Bragança. 
Dom João IV era um GRANDE PRINCIPE, QUE SE TORNOU UM GRANDE REI, pois tinha dentro de si a noção, a probidade, a honradez, a integridade, e uma  consciência de que fora guindado por Deus , numa hora de transformação da Humanidade, para uma função de estrema e vital importância, já que as atitudes de seu governo os destinos da Europa poderiam ser repensados, os destinos dos português continentais, os destinos  dos brasileiros, dos africanos e asiáticos, e de vários outros povos, muitos ainda que vivia na idade da pedra, que compunham o Império Transcontinental de Portugal, também, poderiam ser melhor equacionado, reconsiderados, e com isso entraram numa era de Desenvolvimento e Prosperidade.
Dom João faria qualquer sacrifício para defender o Reino Avoengo, defender o Império que havia conseguido levar os Evangelhos das Boas Novas segundo Ordenança de Cristo Jesus, aos confins da Terra.
Era dele, estava nele, era sua verdadeira epiderme.
 Numa seria um ‘filho da fortuna’ que iria arrancar do Trono Milenar nossa senhora e sua mãe, pela Graça de Deus, Dona Maria I, Rainha de Portugal e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhora da Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia, etc..
Ele trabalharia a seu modo muito peculiar, para que os destinos do Mundo entrassem nos eixos, poderia ser até numa nova era, tão necessária ao Plano e Salvação da Humanidade concebido por Deus ao expulsar Adão e Eva do Paraiso.

O Fez com galhardia.