terça-feira, 14 de julho de 2015

14 de julho - A Queda da Bastilha- data Nacional da França.


Prise de la Bastille
A Queda da Bastilha
14 de julho de 1789

Os pintores da antanho gostam de pintar la Prise de la Bastille entre raios, trovões, fogo caindo dos céus, diabólica nuvem de fumaça, mas não foi assim como veremos.
A canalha parisiense insuflada pelos demagogos de plantão, que se aproveitaram do “e um período de vazio governamental de crise económica e de tensões políticas”, investiu contra o que se considerava “ um bastião aterrorizante do Poder do Rei, em cujas masmorras apodreciam as vítimas da monarquia”, uma lenda criada pelo aventureiro René Auguste Constantin de Renneville, escritor calvinista, encarcerado por 11 anos pois era um espião que trabalhava tanto para os Países Baixos, quanto para a Inglaterra, e para os Príncipes - Eleitores do Sacro Imperador.
Foi libertado “graças à intervenção da Rainha Anne, Rainha da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, partindo imediatamente para a Inglaterra, onde ele narrou seu cativeiro sob o título de História da Bastilha (5 volumes, 1713 - 24), dedicado a George I, Rei da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, Principe- Eleitor de Hanover, publicada em inglês, holandês e italiano”.
Escreveu “e Recueil des voyages qui ont servi a l'établissement de la Compagnie des Indes Orientales aux Provinces Unies (10 tomes, Rouen, 1725) ”, uma prova de sua ligação com a Holanda.
Morreu no eleitorado de Hesse em 13 de março de 1723 como Capitão da artilharia no serviço do Principe- Eleitor de Hesse, o que dá mais uma prova de seu serviço de espionagem para os Príncipes - Eleitores do Sacro Imperador.
Sabe-se que desmoralizar o Regime ao qual está se espionando é uma das armas de maior eficiência empregada pelos espiões, pois contra boatos não há antidoto, já que a desmoralização corrói as entranhas do Poder estabelecido.
Contudo, em 1789 a Bastilha já não era a grande prisão do Estado, do Rei, mas sim um local onde iam parar, principalmente, nobres libertinos, muitas vezes a pedidos da própria família,
As temíveis “ lettres de cachet” já não eram mais usadas para prender inimigos do Rei, essa é que é a verdade.
Quem tem fama deita na cama, já dizia minha avó, e assim, a malta ignara investiu contra a Bastilha em 14 de julho de 1789.

Continua sobre a Prisão da Bastilha.