sexta-feira, 3 de julho de 2015

Em defesa de Louise Elisabeth d'Orleans, Mademoiselle de Montpensier, La reina viuda de España

Brasão de Louise Elisabeth d'Orleans, Rainha consorte de Luís I da Espanha


Em defesa de Louise Elisabeth d'Orleans,
Mademoiselle de Montpensier,
La reina viuda de España


Não há ser humano que ao obrar não solte alguns flatos.
Luis XIV, Rei de França e de Navarra, era um camarada que tinha grande ventosidade, muitos gazes acumulados, por causa da prisão de ventre crônica, motivada pelos excessos cometidos na mesa, com as comidas muito condimentadas.
Luís Dieudonné, a França personificada em toda sua Grandeza, la Grandeur de la France, morreu sofrendo terrivelmente dos intestinos, de constipação - associada com a síndrome do intestino irritável, de fezes duras, por causa do excesso de purga sua flora intestinal foi destruída, o que levou a ter cólon irritado e hemorroidas, que segundo consta saiam muito do ânus e sangravam muito.
O problema com as hemorroidas era tão grave que Luis fez cirurgia para dar um jeito nelas, uma intervenção cirúrgica naquela época deveria ser terrível.
Isso posto, vamos a um fato relevante:
Luís Dieudonné era submetido diariamente a purgas por causa da prisão de ventre crônica, purgas eram aplicadas em frente aos cortesãos presentes no Quarto do Rei, que levava lá, no dito cujo, o cristal sem a menor cerimônia diante de todos.
Essa cena cerimonial era assistida habitualmente pelos 100 homens mais importantes do Reino, as mulheres não são convidadas para assisti-la.
Conforme a vontade do Rei, sua chaise percée, a retrete, a privada portátil, uma cadeira com pinico, lhe era apresentada
Ora, nessa hora certamente flatos eram expelidos por « sa majesté très chrétienne ».
Depois que o Rei de França e de Navarra, um homem poderoso, acabava de fazer suas necessidades, certamente com grande sofrimento devido o quadro acima, um pajem o limpava com paninhos apropriados, na frente da Corte.
Se o Rei podia soltar flatos, dar peidinhos, a vontade, a sua família, os seus cortesãos, também, podiam, afinal a vida da Corte era regida pelos atos de Luís Dieudonné, o Rei Sol, e ninguém mais.
Bem, Luis era l'homme des femmes, sexualmente muito ativo, como sabemos teve várias amantes, mas com a Marquesa de Montespan teve uma menina que foi legitimada chamada Françoise Marie de Bourbon, Légitimée de France e a segunda « Mademoiselle de Blois », mas que na Corte era chamada de " Madame Lucifer”, por seu temperamento.
« Mademoiselle de Blois » casou com Philippe, Duque d'Orleans e futuro Regente de França, filho de Philippe de France, Monsieur le frère unique du Roi, e de sua segunda esposa a Princesa Charlotte-Elisabeth da Baviera, Princesa palatina, Fille de France, Duquesa d’Orleans, conhecida como Madame.
Portanto, Philippe, Duque d'Orleans e futuro Regente de França, era sobrinho de Luis XIV.
Segundo Madame seu filho era um homem sexualmente muito ativo, e que não perdia tempo com preliminares, conquistava e ia para os finalmente rapidinho e em qualquer lugar, portanto aos olhos da Princesa Charlotte-Elisabeth seu filho era um garanhão, mas aos meus era devasso.
“Madame Lucifer” ao contrario era “uma mulher orgulhosa, triste, preguiçosa, que passou sua vida estendida em seu sofá, rodeado por suas damas, muitas delas amantes em potencial de seu marido”, mas viva como o Diabo, pois tratava da mesma maneira que um agiota trata seu rico dinheiro de casar suas filhas muito bem, de negociar bons acordos matrimonias.
Ela não ligava a mínima por ele ter amantes, pois para ela o importante era estar casada.
Os Duques d’Orleans, tiveram filhos, entre eles a menina Louise Elisabeth d'Orleans, nascida no palácio de Versalhes no dia 11 de dezembro de 1709, titulada Mademoiselle de Montpensier, e reconhecida como princesse du sang, afinal ela era uma Orleans de Bourbon.

Uma sister Elizabeth (?)
Por Louis-Michel van Loo
Que da ideia de como uma freira se vestia no século XVIII

Louise Elisabeth d'Orleans foi educada num convento junto com sua irmã Louise Diane d'Orleans, Mademoiselle de Chartres, que se tornou por casamento Sua Alteza Sereníssima Princesa de Conti, Madame la princesse de Conti.
Ambas foram pobremente educadas, sem uma grande base cultural, mas deviam ter uma certa “politesse”, afinal iam viver sob a famosa l'étiquette à la cour de Versailles ordonnée par son grand-père Louis XIV.
Aliás, ninguém ligava para Mademoiselle de Montpensier e ela estava destinada a fazer um casamento de conveniência com um Príncipe menor, um Príncipe ítalo-germânico.
Entretanto, no jogo político europeu, seu pai, o Regente, lhe deu em casamento ao filho de seu primo Felipe V, Rei de Espanha, o então Príncipe das Asturias Don Luis.
Em Espanha foi mal recebida pela ambiciosíssima Rainha Isabel Farnésio, como já era meio tereré, amalucada, mas acima de tudo uma criança “ela reagiu exibindo estranho comportamento, tais como andar nua, dar grandes arrotos e exercitar sua flatulência em público”.
E é aqui que começa minha defesa de Louise Elisabeth d'Orleans, Mademoiselle de Montpensier.
Louise Elisabeth quando chegou a Corte de Espanha era uma menina de 13 anos.
Correr, pular, subir em arvores, é natural em uma menina nessa idade, o que não é natural é ser uma mini mulher, maquiada, vestida como adulto, com postura de uma senhora de idade.  
E a princesinha de França, corria, pulava, subia em árvores, para desespero das vetustas damas españolas.
Sabemos que Luis XIV não tomava banho, que sua higiene era precária.
Na Parte do cerimonial de Corte chamado de “Le Petit Lever”, o pequeno levantar, o Rei era lavado (são passados vários paninhos brancos pelo corpo, principalmente nos sovacos, gotas de vinho são respingadas em seu rosto para lava-lo), era penteado, e era feita sua barba, isso de dois em dois dias.
Banho de agua e sabão nem pensar.
Além do que Luís era super alérgico, não podia com perfumes, só o de flor de laranjeiras, tinha dentes podres o que causava um insuportável mau hálito, por isso foi que os lencinhos de rendas foram incluídos na indumentária de Corte, pois o Rei os colocava na boca enquanto dialogava ou com suas amantes, ou com alguém muito de perto.
Ora, se o avô era sujo, a mãe indolente, ela criada em um convento – onde as freiras eram super vestidas e banho era palavra proibida- um verdadeiro patinho feio que ninguém ligava, então como querer que essa menina de 13 anos tivesse grandes hábitos de limpeza? Era impossível.
Louise Elisabeth compareceu perante a Corte toda suja e fedorenta, mas será que teve alguém para impedi-la, alguém para amigavelmente faze-la ver que a limpeza era necessária?
Creio que não, até por La Farnese, a poderosa e cruel Rainha, não gostava dela, e cortesão que é cortesão puxa o saco dos Soberanos.
Menina, ela se recusou a usar roupa de baixo, um fato estranho por que na Corte de França a roupa interior era muito prestigiada, já que consideravam que ela é que limpava o corpo, sendo trocada até várias vezes por dia com essa finalidade, limpar o corpo, e Luis XIV, que suava muito, era um exemplo dessa “higiene”, tanto que por isso era considerado ‘ limpinho’.
Quanto a ela mostrar de forma “sibilina”, como afirmam os escritores espanhóis, as suas partes pudendas, eu creio que era coisa feita para chocar, bem como suas andanças peladas pelos seus aposentos, também, o eram, afinal ela era uma criança lutando contra um Corte inteira e uma poderosa Rainha que não gostavam dela.
Quanto aos flatos, ela certamente sabia que seu avô, um poderoso Monarca, os soltava na frente de toda a sua Corte, portanto ela dar uns peitinhos não tinha nada demais.
E tome pum...
Quanto aos arrotos, quem não já viu certos meninos mau educados que para chamar atenção arrotam alto pra chuchu?
É feio?
É
É porco?
É
Mais, é coisa de criança e Louise Elisabeth era uma criança.
O palácio de Versalhes era um local sujo, não tinha banheiros para os cortesãos.
Faziam suas necessidades em qualquer lugar, o que deixava um terrível fedor.
Se o Centro da vida da França era assim, imaginem os outros palácios da Nobreza???
Por isso, eu não acredito que as residências reais de Espanha eram limpas, limpíssimas.
Falar mau de Louise Elisabeth era fácil, principalmente se ela dava motivos infantis para isso.
Quando seu marido, o Rei Luis I, pegou varíola foi ela que cuidou dele abnegadamente, um fato muito louvável sendo ela uma pré-adolescente, e que prova que ela tina certo juízo, certa noção das coisas.
É bem verdade que Louise Elisabeth era meio matusquela, meio tereré, e que certo dia tirou a roupa e com seu vestido começou a fazer a limpeza dos moveis, vidros, cristais, do palácio, diante de cortesão abestalhados ante a cena.
Para mim essa cena foi motivada por ela estar sofrendo de uma terrível depressão.
Seu avô, Luis XIV, morreu muito deprimido.
Felipe V, seu sogro e tio materno era, também, um depressivo.
O incompetente deo marido em vez de ajuda-la escreve para o pais em San Idelfonso:

“No veo otro remedio que encerrarla lo más pronto posible, pues su desarreglo va en aumento".

T.L.: Não vejo remédio a não ser encarcera-la o mais rápido possível, pois suas perturbações estão aumentado”.

Com um marido desse é ou não é para ficar louca?
Mais, ele morreu em 31 de agosto de 1724, e ela ficou viúva com 15 anos.
A Rainha Isabel Farnésio a queria longe de sua Corte e aceitou de bom grado o pedido de sua mãe, a Duquesa d’Orleans, para que ela fosse enviada de volta a Paris.
E assim Louise Elisabeth d'Orleans, Mademoiselle de Montpensier, princesse du sang, voltou para a França, para Paris, onde viveu confinada no Palacio de Luxemburgo, com algumas excursões ao Château de Vincennes, bem longe de Versalhes, e bem longe do primo, sexualmente muito ativo, Luis XV.
Ela faleceu esquista por todos em 16 de junho de 1742, com 32 anos.
Era tratada como Sa Majesté la Reine douairière d'Espagne, recebendo todas as honras de sua posição.
Fim de minha defesa de Louise Elisabeth d'Orleans, uma coitada para a qual a vida não sorriu.




Por Jean Ranc,
Retratista barroco francés, que sirvió en la corte de Luis XV de Francia

 y de Felipe V de España.