quinta-feira, 25 de junho de 2015

CARLOS V&I E A DIVISÃO DA DINASTIA DOS HABSBURGOS

A Casa da Austria
Die Habsburger (auch Haus Habsburg)

"Pavão Habsburg" na cauda os domínios da Casa de Habsburgo, 1555.



Karl V. mit Ihrem Lieblingshund
Carlos V com o seu Cão favorito
por Jakob Seisenegger,
no Kunsthistorisches Museum
Museu de História da Arte em Viena




Brasão d’Armas de Carlos V, Imperador do Sacro Império Romano




Brasão d’Armas de Carlos I, Rei de Espanha


Don Carlos por la gracia de Dios Rey de Romanos Emperador Semper Augusto.
Doña Joana su madre y el mesmo Don Carlos por la mesma gracia Reyes de Castilla, de Leon, de Aragon, de las dos Sicilias, de Ierusalen, de Navarra, de Granada, de Toledo, de Valencia, de Galicia, de Mallorcas, de Sevilla, de Cerdeña, de Cordova, de Corcega, de Murcia, de Jaen, de los Algarbes, de Algezira, de Gibraltar, de las Islas de Canaria, de las Indias islas y tierra firme del Mar Oceano,
Condes de Barcelona,
Señores de Vizcaya e de Molina,
Duques de Atenas e de Neopatria,
Condes de Ruysellon e de Cerdenia,
Marques de Oristan e de Gorciano,
Archiduques de Austria,
Duques de Borgoña de Bravante.

Karl der Fünfte, von Gottes Gnaden erwählter Römischer Kaiser, zu allen Zeiten Mehrer des Reiches, in Germanien, zu Kastilien, Aragon, León, beider Sizilien, Jerusalem, Ungarn, Dalmatien, Kroatien, Navarra, Granada, Toledo, Valencia, Galizien, Mallorca, Sevilla, Sardinien, Córdoba, Korsika, Murcia, Jaén, Algerien, Algeciras, Gibraltar, der Kanarischen und Indianischen Inseln und des Festlandes, des Ozeanischen Meers &c. König, Erzherzog zu Österreich, Herzog zu Burgund, zu Lothringen, zu Brabant, zu Steyr, zu Kärnten, zu Krain, zu Limburg, zu Luxemburg, zu Geldern, zu Kalabrien, zu Athen, zu Neopatria und zu Württemberg &c. Graf zu Habsburg, zu Flandern, zu Tirol, zu Görz, zu Barcelona, zu Artois und zu Burgund &c. Pfalzgraf zu Hennegau, zu Holland, zu Seeland, zu Pfirt, zu Kyburg, zu Namur, zu Roussillon, zu Cerdagne und zu Zutphen &c. Landgraf im Elsass, Markgraf zu Burgau, zu Oristan, zu Goziani und des Heiligen Römischen Reiches, Fürst zu Schwaben, zu Katalonien, zu Asturien &c. Herr zu Friesland und der Windischen Mark, zu Pordenone, zu Biscaya, zu Monia, zu Salins, zu Tripolis und zu Mecheln &c.

« Charles par la divine clémence Empereur des Romains, toujours Auguste, roi de Germanie, de Castille, de Léon, de Grenade, d’Aragon, de Navarre, de Naples, de Sicile, de Majorque, de Sardaigne, des îles Indes et terres fermes de la mer Océane, archiduc d’Autriche, duc de Bourgogne, de Brabant, de Limbourg, de Luxembourg et de Gueldre, comte de Flandres, d’Artois, de Bourgogne Palatin, de Hainaut, de Hollande, de Zélande, de Ferrette, de Haguenau, de Namur et de Zutphen, prince de Zulbanc, marquis de Saint-Empire, seigneur de Frise, de Salins, de Malines, le dominateur en Asie et en Afrique, roi de la Nouvelle-Espagne, du Pérou, de la Nouvelle-Grenade et du Rio de la Plata et suzerain des vice-rois de ces mêmes pays. »

Principais Títulos de Carlos V&I:


  Armadura equestre do Imperador Carlos 

                                                       Títulos
                                          Início e fim do uso deles
25 de setembro de 1506
16 de janeiro de 1556
25 de setembro de 1506
25 de outubro de 1555
25 de setembro de 1506
25 de outubro de 1555
Duque de Lothier (Alta Lotaríngia)
25 de setembro de 1506
25 de outubro de 1555
25 de setembro de 1506
25 de outubro de 1555
25 de setembro de 1506
25 de outubro de 1555
25 de setembro de 1506
05 de fevereiro de 1556
25 de setembro de 1506
25 de outubro de 1555
Conde de Charolais
25 de setembro de 1506
21 de setembro de 1558
25 de setembro de 1506
25 de outubro de 1555
25 de setembro de 1506
25 de outubro de 1555
25 de setembro de 1506
25 de outubro de 1555
25 de setembro de 1506
25 de outubro de 1555
12 de setembro de 1543
25 de outubro de 1555
12 de setembro de 1543
25 de outubro de 1555
14 de março de 1516
16 de janeiro de 1556
14 de março de 1516
16 de janeiro de 1556
14 de março de 1516
16 de janeiro de 1556
14 de março de 1516
25 de julho de 1554
28 de junho de 1519
24 de fevereiro de 1530
24 de fevereiro de 1530
24 de fevereiro de 1558
12 de janeiro de 1519
12 de janeiro de 1521


 Territorios controlados en Europa por Carlos I de España en 1519. Debido a la concentración de títulos en manos de Carlos I, Francia pasa a estar en una posición geopolítica complicada.
 Posesiones de Carlos V, emperador del Sacro Imperio Romano Germánico, que reinó en los reinos hispánicos como Carlos I.    Castilla    Aragón    Posesiones borgoñones    Herencias de territorios austríacos    Sacro Imperio Romano



Carlos velho e novo
destaque para o queixo 

Carlos era da figura alta e poderosa, mas não grande demais, com corpo escultural, bonitas pernas, braços fortes, irradiava majestade, com sua tez pálida, com a cabeça alongada, característica da linha austríaca de Habsburgo, e cabelos louros avermelhado.
Carlos tinha um problema de dicção, murmurava palavras, que não eram bem compreendidas, por causa de sua queixada. Seu queixo era grande e saliente (a parte de baixo era muito para frente, e a superior muito para trás), por isso sua boca não fechava completamente, já que havia uma diferença de dois dedos entre a parte inferior e a parte superior.
Era ciclotímico, ou seja, seu humor era instável, ficando dias em silêncio absoluto.
“A ciclotimia é considerada uma versão mais branda do distúrbio bipolar, uma vez que os episódios de hipomania e depressão tendem a ser de menor duração (cerca de quatro dias ou menos) e de menor gravidade”.
Era extremante cruel, e como era muito religioso o louvor a Deus é que lhe dava autocontrole,
Sofria diabetes (essa maldita doença que consome por dentro de maneira silenciosa, e que a mim também faz sofrer), de asma, de gota, essa doença o atormentou a maior parte de sua vida adulta, o que gerou a destruição da massa óssea, de complicações gastrointestinais, pois era muito guloso, e tinha grandes hemorroidas, o que o tornava insuportável viajar a cavalo, com isso era carregado em uma pequena liteira.
Em 2006, essas informações medicas vieram a luz através dos estudos dos restos mortais de Carlos preservados na Igreja do mosteiro de San Lorenzo de El Escorial.
Sabe-se que Carlos tinha grande apetite tanto na mesa (tomava cerveja no café d’amanhã), como sexual.



Viveu pouco junto a sua esposa, Dona Isabel de Portugal, com quem casou no dia 11 de março de 1526, no Alcazar de Sevilha, mas o suficiente para fazer 6 filhos, a saber:
1-      Felipe, o filho querido de Carlos V&I (21 de maio de 1527 - 13 de setembro de 1598), sucedeu a seu pai no Trono de Espanha, juntamente com suas possessões na América, os Países Baixos, Milão, Sardenha, Nápoles e Sicília, com o nome de Felipe II;
2-      Maria (21 de junho de 1528 - 26 de fevereiro de 1603), que em 1548 se casou com   Maximiliano II de Habsburgo, seu primo-irmão, filho de Ferdinando I do Sacro Império Romano e Ana Jagiello da Hungria e Bohemia;
3-      João (22 de março de 1529 - 1530)
4-      Fernando (19 de outubro de 1535 - 20 de março de 1538), Conde de Flandres;
5-      Joana (24 de junho de 1537 - 07 de setembro de 1573), que em 1552 se casou com seu primo João Manuel, Príncipe herdeiro de Portugal, e são os pais de Dom Sebastião, o Desejado, Rei de Portugal;
6-      Juan (30 de abril de 1539), natimorto, Dona Isabel de Portugal morreu de complicações no parto no dia seguinte, isso é, em 1 de maio de 1539.
Fora do casamento
Fora do casamento Carlos V&I teve uma filha com Johanna Maria van der Gheynst, de Oudenaarde, província de Flandres Oriental, Bélgica, a formosa e competente Margarida de Parma (1522-1586), Duquesa consorte de di Parma e Piacenza e Castro, por seu casamento com Octavio Farnesio, duca di Parma e Piacenza e il terzo duca di Castro, em 1559 nomeada Governadora dos Países Baixos Habsburguianos.
Fora do casamento, Carlos V&I teve uma filha com uma nobre dama de Nassau de nome Juana da Austria, de quem nada descobri.
Fora do casamento Carlos V&I teve uma filha com Orsolina della Penna, "a mais bela de Perugia ", mulher do nobiluomo Sinidaldo Copeschi di Montefalcone, que foi Tadea da Áustria, e “o que sabe sobre ela é que vivia em Roma, e em 1562 enviou um mensageiro ao seu irmão, Filipe II, para reconhecê-la como uma filha do Imperador”.

Don Juan de Austria

Fora do casamento Carlos V&I teve um filho com Barbara Blomberg, uma cantora de Ratisbona, hoje na região administrativa do Alto Palatinado, na Baviera, Alemanha, o celebre Don Juan de Austria, mas como a mãe logo casou com Jerónimo Píramo Kegell (Jerôme Pyramus Kegel), ele foi chamado de «Jerónimo» ou «Jeromín», nome de seu padrasto, e é com esse nome que ele foi trazido para a Espanha em junho de 1550.
No verão de 1554 passou a viver no castelo de Don Luis de Quijada, em Villagarcia de Campos, em Valladolid, e sua esposa, doña Magdalena de Ulloa, passou a cria-lo e educa-lo, com ajuda de Guillén Prieto, mestre em latim, do capelão García de Morales, e o escudeiro Juan Galarza.
Codicilo, é um documento que encerra certas disposições de última vontade, escrito, datado e assinado pelo próprio codicilante. Assemelha-se a um testamento, embora seja geralmente menor e seja menos formal a sua feitura, e remonta ao direito romano.
Carlos escreveu um “codicilo”, pouco antes de abdicar, datado de 6 de junho de 1554, no qual afirmava:
 «Por quanto estando yo en Alemania, después que embiudé, huve un hijo natural de una muger soltera, el que se llama Gerónimo».
T.L.: “ Quando eu estava na Alemanha, depois que enviuvei, tive um filho natural de uma mulher solteira, ele se chama Gerônimo”. 
Já estando no Monasterio de Yuste, Carlos ordenou a Don Luis de Quijada que trouxesse Gerônimo para viver ao pé de si.
Depois, Felipe II, seguindo o conselho de Carlos, expressa no codicilo de 1554, reconheceu a criança como um membro da família real. Eles mudaram o nome para Don Juan de Áustria. Foi lhe concedida “ Casa”, dirigida por Don Luis de Quijada, todavia não foi elevado a Infante de Espanha. Nas cerimonias oficiais sua posição era antes dos Grandes de Espanha, mas depois dos membros da Família Real, ou seja, uma posição protocolar intermediaria.
Era tratado como «Excelentísimo Señor»“ e não “ Alteza”.
Era sexualmente muito ativo e teve filhos naturais.
Com Maria de Mendoza, dama de honra de Joana da Áustria, princesa viúva de Portugal, mãe de Dom Sebastião, Rei de Portugal, teve uma filha, doña María Ana de Austria y de Mendoza, que foi “abadesa perpetua del cisterciense Monasterio de Santa María la Real de Las Huelgas, el 8 de agosto de 1611, la mayor dignidad eclesiástica a que una mujer podía aspirar”, onde morreu em 1621, aos 61 anos de idade. Ela nasceu em 1568, no Palacio Ducal de Pastrana, Guadalajara, hoje comunidade autónoma de Castilla-La Mancha, de propriedade de Doña Ana de Mendoza y de la Cerda, Princesa de Éboli, Duquesa de Pastrana y Condesa de Mélito, de  “una de las familias castellanas más poderosas de la época: los Mendoza, e esposa de Ruy Gómez de Silva (en portugués Rui Gomes da Silva), Príncipe de Éboli, duque de Pastrana y conde de Melito”, elevado por Felipe II.
Apesar das diferenças com Felipe II, Don Juan da Austria foi Governador dos Países Baixos Habsburguianos para seu irmão, e comandante da Santa Liga das Nações.



Apresentação de Don Juan de Áustria para o imperador Carlos V, em Yuste
Por Eduardo Rosales (Eduardo Rosales Gallinas pintor purista del siglo XIX español)
1869.

Carlos foi o responsável pela Divisão da Casa, formado assim o Ramo dos Habsburgos austríacos e o ramo dos Habsburgos espanhóis, chamada de casa da Austria, e porquê? Como?
Por abdicação de seu vastíssimo Império.
 Carlos havia consolidado o Poder dos Habsburgos no Sacro Império, na Itália, nos os Países Baixos e, principalmente, na Espanha e seu nascente Império de ultramar.
 A Europa o temia.
Os Príncipes germânicos tinham lutado sozinhos em uma verdadeira guerra civil dentro do Sacro Império, primeiro na Liga dos Cavaleiros, depois na Guerra dos Camponeses, contra as desordens do clero luterano, depois a rebelião dos anabatistas, por isso estavam se rebelando contra Der Kaiser des Heiligen Römischen Reiches Deutscher Nation, ou o Imperador do Sacro Império Romano de Nação Germânica, que na ocasião era Carlos de Gand, da Dinastia dos Habsburgos.
Carlos, cruel, não teve dúvida marchou contra os Príncipes e como resultado entregou os destinos dos Império nas mãos de seu irmão, Fernando I de Habsburgo, o outro Imperador.   
Mais, as coisas estavam complicadas na Europa, na África, na América, etc. e tal, então, velho, cansado, hemorroidário, abdicou em seu filho, Felipe II, no dia 16 de janeiro de 1556, as Coroas da Espanha, do Império espanhol em formação, dos domínios na península Itálica e a do seu amado Países Baixos.
A seguir, “Carlos pediu aos eleitores para aceitarem sua abdicação, e elegerem Fernando como seu sucessor, o que foi feito em 28 de fevereiro de 1558, sendo que deixou ao irmão as propriedades dos Habsburgo na Alemanha”.
Continuou em Bruxelas negociando com os Estados Gerais dos Países Baixos, e só depois é que com suas duas irmãs (Leonor de Áustria e Maria da Hungria) viajou para a Espanha, recolhendo-se ao Monasterio de Yuste, um misto de convento e palácio da Orden de San Jerónimo, perto da cidade de Cuacos de Yuste, na região de La Vera, a nordeste da província de Cáceres, Espanha.
Carlos morreu em “21 de setembro de 1558 de malária, após um mês de agonia e febres, causada pela picada de um mosquito da água estagnada de uma das lagoas circunvizinhas ao mosteiro”.


Assim Fernando de Habsburgo y Trastámara, que nasceu no palácio do arcebispo de Alcala de Henares, em 10 de março de 1503, o neto favorito Fernando, o Católico, Rei das Espanhas, que foi educado na Espanha por esse seu avô para sucede-lo, passou a ser o Chefe da Casa de Habsburgo na Austria e domínios na Europa central Habsburguianos, como, também, no des Heiligen Römischen Reiches Deutscher Nation, ou Sacro Império Romano de Nação Germânica, ou seja, Chefe do Habsburgos da Austria.

Felipe II.

E Felipe II de España, llamado «el Prudente», Rey de España, Portugal, Nápoles, Sicilia, Cerdeña, Duque de Milán, soberano de los Países Bajos y Duque de Borgoña, rey de Inglaterra e Irlanda iure uxoris de Maria, la sangrenta, passou a ser o Chefe dos Habsburgo em Espanha, chamada de La Casa de Austria, el nombre con el que se conoce a la dinastía Habsburgo reinante en la Monarquía Hispánica en los siglos XVI y XVIII.




Árbol genealógico de los reyes de España y familia de la casa de Austria (en azul).



Continua...