segunda-feira, 22 de junho de 2015

Dinastia Trastámara.
Casa de Trastámara

Alfonso XI  

Dinastia reinante em Castela (1.369-1.504), Aragão (1412-1516) e Nápoles (1458-1501).
No geral, o reinado da Casa de Trastámara em Castela foi caracterizado pelo fortalecimento da autoridade monárquica, pela promoção e o desenvolvimento econômico impulsionado pela burguesia e da introdução de Castela na diplomacia europeia.
Através dessa modernização da monarquia, Castela se transformou em uma grande potência europeia capaz de impor o seu domínio na Península Ibérica.
Condado de Trastámara, del latín Tras Tamaris (más allá del río Tambre), en el noroeste de Galicia - Tras Tamaris (além do rio Tambre), noroeste da Galiza, vassalo do Rei de Leão (Rei de León então o governante do Reino de Castela), ou do Rei de Galiza, de acordo com “os tempos políticos”, e era um feudo considerado riquíssimo.
La Casa (um ramo cadete da Casa de Borgonha) é nomeada após à criação do Condado de Trastámara, em 4 de fevereiro de 1445, em San Martín de Valdeiglesias, hoje pertencente à Comunidade de Madrid, pelo Rei Juan II, João II, Rei de Castela, Príncipe de Astúrias, Gran Maestre de la Orden de Santiago, sendo Pedro Alvarez Osorio elevado ao Título de Conde hereditário de Trastámara.
Contudo pela morte desse, e de outros Condes (por exemplo, o caso de Alvar Núñez Osorio, mordomo-chefe de Alfonso XI), o Titulo voltava ao Rei.
Alfonso XI, el Justiciero, Rei de Castela, e Leonor de Guzmán (neta de Afonso IX, Rei de Leão e jovem viúva quando conheceu ao Rei Amante) tiveram dez filhos ilegítimos.
Entre eles estava Henrique II de Castela, o Fraticida, ou o das Mercês (Enrique II de Castilla, l Fratricida o el de las Mercedes), também, conhecido como Enrique II de Trastámara, pois é dele que saiu essa Casa Real, ele é considerado o fundador dessa Dinastia que deu soberanos para os Reinos de Castela, de Leão, de Aragão, de Valência, de Maiorca, da Sicília, de Nápoles, e Condes de Barcelona.
Henrique II de Castela, teve com Juana Manuel de Villena, sua esposa e reina consorte de Castilla, três filhos, e um deles foi João I de Castela (Juan I de Castilla), Rei de Castela e Leão entre 1379 e 1390, sendo o segundo rei da Dinastia de Trastámara, que consolidou o Poder de sua Casa.
Devido aos conflitos com João de Gaunt (Príncipe inglês, filho de Eduardo III, Rei da Inglaterra e de Filipa de Hainaut, Duque de Lencastre e Aquitânia), que reclamava a Coroa de Castela pelo direito de sua mulher Constança (filha de Pedro I de Castela, o Cruel), convencionou em 1387 o casamento da filha destes, Catarina, com o seu filho primogénito e herdeiro, Henrique.
João I, que era Rei de Castela, Toledo, Leão, Galiza, Sevilha, Córdoba, Murcia, Jaén, Algarve e Algeciras, tentou conquistar Portugal, mas “, em 14 de agosto de 1385, na Batalha de Aljubarrota, sendo obrigado a descartar-se das ambições a esta Coroa, a este Trono”.
Casou com Leonor de Aragão, filha de Pedro IV de Aragão, e tiveram dois filhos:


Enrique el Doliente 

1-      Enrique III de Castilla, el Doliente - Henrique III de Castela, o Enfermiço, reinou de 9 de outubro de 1390 até 25 de dezembro de 1406. “Casou em Madrid em 1388 com Catarina de Lancaster, filha de João de Gante, acima qualificado, e de Constança de Castela. Seu casamento findou a querela das pretensões de Gaunt a Castela. A irmã de Catarina, Dona Filipa de Lencastre, foi Rainha de Portugal.
2-      Fernando de Trastámara, Fernando de Antequera, Fernando el Justo y Fernando el honesto, fue infante de Castilla, rey de Aragón, de Valencia, de Mallorca, de Sicilia, de Cerdeña y de Córcega; duque de Neopatria y de Atenas; conde de Barcelona, de Rosellón y de Cerdaña; y regente de Castilla. El primer monarca aragonés de la dinastía castellana de los Trastámara
T.L.: Fernando de Trastámara, Fernando de Antequera, Fernando, o Justo, e Fernando, o Honesto, foi Infante de Castela, Rei de Aragão, Valência, Maiorca, Sicília, Sardenha e Córsega; Duque de Neopatria e de Atenas; Conde Barcelona, Roussillon e Cerdanya; e Regente de Castela. O primeiro monarca aragonês da dinastia castelhana de Trastámara.

Henrique III de Castela, o Enfermiço, e Catarina de Lancaster, tiveram três filhos:

a-      Maria (Segóvia, 14 de novembro de 1401 - Valência, 4 ou 7 de setembro de 1458), Infanta de Castela, por seu casamento com Afonso V, o Magnânimo, Rei de Aragão, Rei de Nápoles, Conde de Barcelona, Roussillon, Sardenha e Urgel, foi Rainha consorte desses Reinos e Condessa consorte dos condados;
b-      Catarina (1403 - Zaragoza, 19 de outubro de 1439), casou com seu primo irmão, Enrique de Trastámara, filho de Fernando de Trastámara, Fernando de Antequera, Fernando el Justo y Fernando el Honesto, e de Leonor Urraca Sánchez de Castilla, III condesa de Alburquerque, llamada la Ricahembra (a Dama Rica), que foi Infante de Aragão, Duque de Albuquerque, Duque de Villena, senhor de Ledesma e Mestre da Ordem de Santiago, sendo ela consorte de todos os Títulos, menos, é claro, da Ordem.
c-       Juan II - João II, Rei de Castela e Leão, reinando de 25 de dezembro de 1406 até sua morte em 20 de julho de 1454. Herdou o Trono com 8 anos, sendo a Regência exercida por sua mãe, Catarina de Lancaster, e seu tio, Fernando I, Rei de Aragão (citado acima.
João II casou em primeiras núpcias com sua prima irmã Maria de Trastámara, Infanta de Aragão, portanto filha de Fernando de Trastámara, Fernando de Antequera, Fernando el Justo y Fernando el Honesto, e de Leonor Urraca Sánchez de Castilla, III condesa de Alburquerque, llamada la Ricahembra (a Dama Rica), com quem teve quatro filhos:
Catarina (5 de outubro de 1422 — 17 de setembro de 1424), Princesa das Astúrias
Leonor (10 de setembro de 1423 — 1425), Princesa das Astúrias
Henrique IV (5 de janeiro de 1425 — 11 de dezembro de 1474), Rei de Castela e Leão
Maria (c. 1428 — 1429), Infanta de Castela

João II, ele com 42 anos, casou em segundas núpcias com Isabel de Portugal, ou Isabel de Avis, ela com 19 anos,  filha de João de Portugal, Infante de Portugal, 3.º Condestável de Portugal, 10.º Mestre da Ordem de Santiago, 1.º Senhor de Reguengos, Colares e Belas, e de Dona Isabel de Bragança e Pereira, ou Isabel de Barcelos, filha de Afonso I de Bragança, 1.º duque de Bragança e 8.º conde de Barcelos e de Beatriz Pereira de Alvim, e neta de Nuno Álvares Pereira, Condestável do Reino.
João II e Isabel de Portugal, tiveram filhos, a saber:
***Em 22 de abril de 1451 - Isabel a Católica, Rainha de Castela – citarei abaixo.
Em 15 de novembro de 1453 que faleceu com 15 anos, em 5 de julho de 1468 - Afonso, Príncipe Herdeiro de Castela e Aragão.

Enquanto em Aragão:
Enrique de Trastámara, filho de Fernando de Trastámara, Fernando de Antequera, Fernando el Justo y Fernando el Honesto, e de Leonor Urraca Sánchez de Castilla, III condesa de Alburquerque, llamada la Ricahembra (a Dama Rica), como já sabemos foi elevado a Rei de Aragão, Valência, Maiorca, Sicília, Sardenha e Córsega; Duque de Neopatria e de Atenas; Conde Barcelona, Roussillon e Cerdeña, com sua esposa Leonor Urraca, a Dama Rica, teve os seguintes filhos:
a-      Alfonso, o Magnânimo, seu sucessor no Reino de Aragão, com o nome de Alfonso V, e Rei de Nápoles, com o nome de Alfonso I:
b-      Juan II de Aragón, el Grande, Rei de Aragão, de Mallorca, de Valencia, de Cerdeña;
c-       Enrique, Conde de Albuquerque, Duque de Vilhena, Grão-Mestre da Ordem de Santiago;
d-      Sancho, Grão-Mestre da Ordem de Alcântara;
e-      Leonor, que se casou com Dom Duarte I, décimo-primeiro Rei de Portugal, cognominado o Eloquente pelo seu interesse pela cultura e pelas obras que escreveu.
f-       Maria, que se casou com seu primo Juan II, Rei de Castela. Já citada.
g-      Pedro, Conde de Albuquerque e Duque de Noto

Juan II de Aragón, el Grande 

Alfonso, o Magnânimo, casou com sua prima Maria, Infanta de Castela, já qualificada acima, e não tiveram descendência.
a-      Alfonso, o Magnânimo, com Giraldona Carlino, uma mulher de Nápoles, teve três filhos naturais:
Fernando, conhecido como Ferrante I ou Dom Ferrando, seu sucessor no reino de Nápoles com o nome de Fernando I.
b-      Maria, casou com Lionel (Leonello d'Este, o anche Lionello), Marquês de Ferrara, senhor de Modena, Reggio, Polesine e Garfagnana.
c-       Leonor, que casou, em 1444, com o Príncipe de Rossano, Mariano Marzano.

As Coroas avoengas não poderiam ser herdadas pelo filho ilegítimo, que ficou com Nápoles, por isso seu herdeiro foi seu irmão, Juan II de Aragón, el Grande (João II, o Grande), nascido 29 de junho de 1398 e falecido em 19 de janeiro de 1479, com 81 anos de vida, o monarca mais longevo daqueles tempos. Foi Duque de Peñafiel, Rei de Navarra, da Sicília, de Aragão, de Mallorca, de Valencia, da Sardenha.
Reinou em Navarra desde 1425, com 27 anos, portanto reinou por 54 anos.
Nos demais reinos de 27 de junho de 1458 até 19 de janeiro de 1479, 20 anos, 6 meses e 23 dias, iniciando seu governo com 60 anos.
Tempo para chuchu numa época que reis eram mortos por qualquer dá cá aquela palha.
João II, o Grande, casou duas vezes.
A primeira:
Com Blanca I de Navarra, Rainha proprietária de Navarra (y reina propietaria de Navarra) desde 1425 até sua morte em 3 de abril de 1441, filha de Carlos III, o Nobre, Rei de Navarra, Duque de Nemours, Conde de Évreux, e de sua esposa Eleanor de Castela, filha de Henrique II , o das Mercês , Rei de Castela, com Joana Manuel de Castela, senhora de Lara e Biscaia, de Peñafiel, de Escalona, e de Vilhena.
Tiveram os seguintes filhos:
Carlos, Príncipe de Viana, casado Agnes de Cleves, sobrinha de Filipe III, Duque de Borgonha.
Juana.
Branca, casada com Henrique IV, rei de Castela e Leão.
Leonor, sucessora no Trono de Navarra, casada com Gaston IV de Foix, conde de Foix e Visconde de Bearn.
A segunda união:
Com Juana Enríquez y Fernández de Córdoba, Señora de Casarrubios del Monte, filha de Fadrique Enríquez de Mendoza, Almirante de Castela, señor de Medina de Rioseco, Conde de Melgar y Rueda, e de Marina Fernández de Córdoba y Ayala, filha de Diego Fernández de Córdoba y Carrillo, Marechal de Castela, e sua mulher, de Inés de Ayala y Toledo, III señora de Casarrubios del Monte.
“A Casa de Enriquez é uma linhagem originaria de um Rei de Castela, pois foi iniciada com Fadrique de Castela, Mestre da Ordem de Santiago, filho natural do Rei Alfonso XI de Castela e de Leonor de Guzman e irmão gêmeo de Henrique II de Castela”.
“A Casa de Enriquez foram os senhores do Ducado de Medina de Rioseco, concedido pelo Imperador Carlos V da Alemanha e Rei Carlos I da Espanha em 22 de abril 1538 para Fernando Enriquez de Velasco, Almirante de Castela, señor de Medina de Rioseco, Conde de Melgar y Rueda, e reconhecidos pelo mesmo Soberano, em 1520, como um dos primeiros Grandes de Espanha. ”
Foram pais de:
Leonor de Aragão, nasceu e morreu.
Fernando, o Católico, seu sucessor em Aragão, com o nome de Fernando II, e Rei consorte de Castela, com o nome de Fernando V, por seu casamento com Isabel a Católica;
Juana de Aragão, casada com Fernando I, Rei de Nápoles.

Aqui é que nos interessa para a conversa sobre a Dinastia Trastámara.


Fernando e Isabel

Fernando II de Aragón, llamado «el Católico» (Fernando II de Aragão, chamada de " o Católico"), Rei de Aragão, Valência, Maiorca, Sardenha e Conde de Barcelona, de 20 de janeiro de 1479 - 23 de janeiro de 1516, por 37 anos, e 3 dias, casou em 19 de outubro de 1469, secretamente com a Infanta Doña Isabel de Castela *** ( vide acima), no Palácio de los Vivero em Valladolid.
Isabel I de Castela, llamada « la Católica » (Isabel I de Castela, chamada de "a Católica"), nascida no Convento de San Agustín, em Madrigal de las Altas Torres, no dia 22 de abril 1451, e falecida no Palacio Testamentario de Medina del Campo, Castela, no dia 26 de novembro de 1504.
Foi reconhecida e coroada Rainha de Castela em 13 de dezembro de 1474 na Igreja de San Miguel de Segóvia, a partir de 1475 dividiu o Trono com seu marido, Fernando de Aragão, e reinou até o dia de seu falecimento, 26 de novembro de 1504.




Coroação de Isabel
Em 13 de dezembro de 1474
Na Igreja de San Miguel de Segóvia

Ela “viveu 53 anos, dos quais 30 anos ele governou como Rainha de Castela e 26 como Rainha consorte de Aragão ao lado de Fernando II”. (Rainha consorte de Aragão de 20 de janeiro de 1479 - 26 de novembro de 1504, 25 anos, 10 meses e 6 dias. Rainha consorte de Nápoles 29 de dezembro de 1503 - 26 de novembro de 1504, 10 meses e 28 dias).
Fernando de Aragão e Isabel de Castela são os soberanos responsáveis pela capitulação do Reino nasrida de Granada, dentro da Reconquista, em 2 de janeiro de 1492, dia da entrega das chaves aos monarcas espanhóis pelo representante do Rei Boabdil az-Zughbi ("o desafortunado") - Abû `Abd Allâh Mohammed ben Abî al-Hasan- da fortaleza-palácio do Alhambra, pondo fim a “ oito séculos de presença muçulmana na Espanha”.
Isabel, também, é a responsável pela descoberta do Novo Mundo, da América, “pois, deu eu apoio a Cristóvão Colombo em busca da Índias Ocidentais, evento que resultaria na criação do Império Espanhol”.


2 de janeiro de 1492,
Dia da entrega das chaves
Da fortaleza-palácio do Alhambra.
Ponto fim a oito séculos de presença muçulmana na Espanha.

Fernando de Aragão e Isabel de Castela foram pais de:

1-      Dona Isabel de Trastámara y Trastámara, ou Isabel de Aragão, casou em Évora, em 1490, com o Príncipe Dom Afonso de Portugal, herdeiro da coroa, filho de Dom João II, décimo-terceiro Rei de Portugal, cognominado O Príncipe Perfeito. Viúva, voltou a casar com Dom Manuel I, outro Rei de Portugal, o Venturoso.
2-      Dom João de Trastámara y Trastámara, Príncipe das Astúrias e Girona, Duque de Montblanc, Conde de Cervera e Senhor de Balaguer, Herdeiro da Coroas dos pais, casou em abril de 1497, na catedral de Burgos, com a arquiduquesa Margarida da Áustria, filha de Maximiliano I, Imperador Sacro e etc., da Casa de Habsburgo e da poderosa e riquíssima Princesa Maria, Duquesa da Borgonha, etc. e tal. Seis meses depois de seu casamento, 4 de outubro, morreu em Salamanca.
3-      Juana I de Castilla, llamada «la Loca», ver abaixo.
4-      Dona María de Trastámara y Trastámara, Rainha de Portugal como uma segunda esposa Manuel I, o Venturoso.
5-      Catalina de Aragón – Catarina de Trastámara y Trastámara- a primeira esposa de Henrique VIII e mãe Maria I, ambos Reis da Inglaterra. Foi Princesa de Gales como a esposa de Arthur, Príncipe de Gales, irmão de Henrique VIII.

Juana I de Castilla, llamada «la Loca» (Juana I de Castela, chamada de “ A Louca”) casou em 20 de outubro 1496 com Felipe I de Castilla, llamado «el Hermoso» (Felipe I de Castela, chamado "O Belo"), nascido Arquiduque da Austria, primogênito de Maximiliano I, Sacro Imperador Romano e Maria de Borgonha, no escopo dos Habsburgos da política dos ‘casamentos vantajosos’, como veremos.


Continua....