terça-feira, 16 de junho de 2015

Casa de Bourbon

Casa de Bourbon
Na Espanha: La Casa de Borbón,
Na França: Maison de Bourbon,
Na Itália: I Borboni (detti anche meno correttamente i Borbone),
Em Portugal e no Brasil: Casa de Bourbon



Blason du comté de Clermont-en-Beauvaisis (devenu blason du Bourbonnais par alliance de Robert de Clermont en Beauvaisis avec Béatrix, dame de Bourbon, en 1276)
d'azur semé de fleurs de lys d'or à la bande de gueules


 “O termo Casa de Bourbon designa geralmente a Maison capétienne de Bourbon – Casa Capetiniana de Bourbon, após o casamento de Robert de Clermont, Conde de Clermont-en-Beauvais, sexto e último filho de São Luís  ou Luís IX, Rei da França, e de Marguerite de Provence, com a nobre Béatrice de Bourgogne( Borgonha),   dame de Bourbon – Dama de Bourbon, filha única de Jean de Bourgogne ( João da Borgonha),  e de Agnes de Bourbon - Dampierre, dame de Bourbon, essa filha de e Archambaud IX Dampierre, senhor de Bourbon e Dampierre, e Yolande de Chatillon , herdeira dos condados de Nevers, Auxerre e Tonnerre”.
Antes dessa Terceira Casa, houveram as de:
1-      Première maison de Bourbon - Primeira casa de Bourbon: senhores primitivos de Bourbon (hoje Bourbon-Archambault), iniciada com Aymar ou Adhemar de Bourbon no século X (citado em 913), e extinta na linha masculina com Archambaud de Bourbon, filho de e Archambaud VII, Senhor dos Bourbon, e Agnes de Savóia.
Archambaud de Bourbon casou com Alix de Borgonha, filha de Eudes II, Duque de Borgonha (que lutou contra os mouros em Portugal), e Marie de Blois, irmã de Luis VII, Rei dos Francos, de 1 de agosto de 1137 - 18 de setembro de 1180, portanto reinou 43 anos, 1 mês e 17 dias.
Archambaud de Bourbon casou com Alix de Borgonha, foram pais de:
Mathilde I de Bourbon, também, conhecida como Mahaut de Bourbon ou Marguerite de Bourbon, dame de Bourbon de 1173 até a sua morte em 20 de junho de 1218.

2-      La maison de Bourbon-Dampierre ou deuxième maison de Bourbon:
Ela foi iniciada com a casamento de Mathilde I, dame de Bourbon, que casou em segundas núpcias com Guy II de Dampierre, Condestável de Champagne, em apanágio senhor de Moëslains e Dampierre, de Saint-Dizier e de Saint-Just, que participou da Terceira Cruzada como um membro de um grupo avançado que iniciou o cerco de Acre, no outono de 1189.
Eles tiveram quatro filhos:
Archambaud VIII, o Grande, Senhor de Bourbon († 1242)
Archambaud IX o Jovem, Senhor de Bourbon († 1249) casou com Yolande de Châtillon, Condessa de Nevers, Auxerre e Tonnerre
Mahaut II de Bourbon-Dampierre († 1262) casou com Eudes de Borgonha († 1266) da Casa Capetiniana da Borgonha
Agnès de Bourbon-Dampierre, Condessa de Nevers, Auxerre e Tonnerre († 1288) casou com João de Borgonha, senhor de Charolês († 1268), pais de:
Beatrix da Borgonha que casou com Robert, Conde de Clermont, o acima citado.
Portanto são os fundadores da troisième maison de Bourbon- a atual e terceira casa de Bourbon.

A Terceira casa de Bourbon deu origem a vários ramos dessa Dinastia, faltando um ou outro, são:
Bourbon d’ Anjou – Casa de Borbón de Espanha
Bourbon -  Orléans
Orléans-Bragança
Orléans-Galliera
Bourbon-Condé
Bourbon-Conti
Bourbon-Busset
Bourbon-Vendôme
Bourbon- Maine
Bourbon-Penthièvre
Bourbon-Roussillon
Bourbon-Lavedan
Bourbon-Ligny
Bourbon-Siciles - Borbone di Napoli, também conhecidos como das Duas Sicílias
Bourbon-Parme - Casa di Borbone – Parma.
Bourbon-Préaux
Bourbon-Carency
Bourbon-Duisans
Bourbon-Préaulx
Bourbon- Bragança

Foram essas as Nações governadas pelos Bourbons:
Reinos da França, Reino de Navarra, de Espanha e das Duas Sicílias (Nápoles), Grão-Ducado do Luxemburgo,  
Ducados de Orleans, Bourbon, Parma e Piacenza, e outros menos votados.


Dona Carlota Joaquina

Não podemos esquecer que Dom Pedro I era de Borbón por parte de mãe, Dona Carlota Joaquina, Carlota Joaquina Teresa Cayetana de Borbón y Borbón, filha primogênita de Dom Carlos IV, da Casa de Borbón, e de Doña Maria Luísa, da Casa di Borbone - Parma.
Logo, o Brasil, também, foi governado por uma Bourbon, e tem mais.
Dona Leopoldina, Arquiduquesa da Austria, era filha de Maria Teresa de Bourbon-Duas Sicílias, e do Imperador Francisco I da Áustria, esse filho de Maria Luísa da Espanha, também, conhecida como Maria Luísa de Bourbon.
Como se não bastasse, vamos a Teresa Cristina Maria Josefa Gaspar Baltasar Melchior Januária Rosalía Lúcia Francisca de Assis Isabel Francisca de Pádua Donata Bonosa Andréia de Avelino Rita Liutgarda Gertrude Venância Tadea Spiridione Roca Matilde, Nata principessa del Regno delle Due Sicilie (anche conosciuto come Regno di Napoli), di Casa reale           Borbone di Napoli , que nasceu em 14 de março de 1822, em Nápoles, Reino das Duas Sicílias, e falecida em 8 de dezembro de 1889, na Invicta Cidade do Porto, então Reino de Portugal e Algarves, com os etc., na idade de 67 anos.
A nossa Dona Teresa Cristina, Imperatriz Consorte do Brasil de 30 de maio de 1843 até 15 de novembro de 1889, por ser esposa de Sua Majestade Imperial Dom Pedro II, Imperador Constitucional e Defensor Perpétuo do Brasil.


Família imperial Brasileira
da esquerda para a direita: Conde d'Eu, Dom Pedro II, Dona Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias e Dona Isabel, a Princesa Imperial.


Dom Pedro II e Dona Teresa Cristina, dois Bourbons, e, também, membros da Dinastia Habsburgos-Lorenas,
Foram pais de Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga, dita Isabel, a Redentora, Sua Alteza Imperial a Princesa Imperial do Brasil, que foi Regente em 1871-1872, 1876-1877, 1887-1888, portanto que governou o Império.
Que foi casada com Gaston d'Orléans, ou Louis Philippe Marie Ferdinand Gaston d'Orléans et Saxe-Cobourg et Gotha, Príncipe imperial consorte do Brasil, Conde d'Eu, neto de Luís Filipe I, Rei dos Franceses, da Maison d’Orléans, um dos ramos Casa Capetiniana de Bourbon.
Portanto, uma Bourbon casada com outro Bourbon.  
Mais, isso posto...
Penso que provei que o Brasil foi governado, e o que é melhor liberto, por um membro da Casa de Bourbon, da antiga e velha a Maison capétienne de Bourbon – Casa Capetiniana de Bourbon.

Soberanos de França, contados a partir de Henrique IV, que já era Rei de Navarra com o nome de Henrique III:
Henrique IV, o Grande (1589–1610);
Luís XIII, o Justo (1610–1643);
Luís XIV, o Rei Sol (1643–1715);
Filipe de Orléans (Regente) (1715–1723);
Luís XV, o Bem-Amado (1715–1774);
Luís XVI (1774–1793);
Luís XVII (1793–1795) (não reinou de fato);
Luís XVIII (1814–1824);
Carlos X (1824–1830);
Luís XIX (1830) (não reinou de fato);
Henrique V (1830) (não reinou de fato);
Luís Felipe I, Rei dos Franceses (1830–1848) (Casa de Bourbon-Orléans).

Soberanos de Espanha:
Filipe V, 1700–1724 e 1724–1746 (neto do Rei Luís XIV de França)
Luís I, 1724 (reinou em menos de um ano)
Fernando VI, 1746–1759
Carlos III, 1759–1788
Carlos IV, 1788–1808
Fernando VII, El Desejado 1813–1833
Isabel II, La Chata 1833–1868
Afonso XII, 1875–1885
Afonso XIII, 1886–1931
João Carlos I, 1975–2014
Filipe VI, 2014–Presente

Outros títulos nobiliárquicos importantes exercidos pelos Bourbons:
Reis das Duas Sicílias
Príncipes de Condé
Príncipes de Conti
Príncipes de Orléans e Bragança – Príncipes do Brasil
Príncipes do Grão-Pará
Grão-duques de Luxemburgo
Duques de Bourbon
Duque d”Anjou
Duques de Montpensier
Duques de Vendôme
Duques de Orléans
Duques de Parma
Condes de Barcelona
Conde d’Eu
E etc., etc., etc..





Conde D'Eu com a Princesa Isabel e os filhos, Pedro de Alcântara, Luís, e Antônio Gastão