quarta-feira, 4 de março de 2015

135 - Na Russia de Pedro, o Grande, Transformações no domínio da cultura e da Educação


Monograma Imperial de Czar Pedro Alexeyevich Romanov, o Grande,

135 - AS REFORMAS PETRINAS.
 Pedro, o Grande, decima primeira Conversa – os Imperadores da Rússia
A Dinastia Romanov III.
História da Rússia monárquica.
Pedro I, o Grande (22 de outubro 1721 - 28 de janeiro de 1725)
Пётр I Великий (22 октября 1721 — 28 января 1725)


1-      Transformações no domínio da cultura
2-      Educação

Observação: O calendário romano data da fundação de Roma e mudou sua forma diversas vezes até a Queda do Império Romano do Ocidente.
O calendário juliano foi implantado por Júlio César, em 46 a.C., como uma importante e substancial alteração no calendário romano e modificado ainda mais em 8 d.C., pelo Imperador Augusto (Gaius Iulius Caesar Octavianus Augustus, nascido Caio Otaviano, sobrinho-neto de Júlio Cesar e seu filho adotivo) que manteve o nome em homenagem a seu Tio-avô.  
O calendário com as modificações feitas por Augusto, continua sendo utilizado pelos cristãos ortodoxos em vários países.
Como na Rússia o Cristianismo foi levado pelos cristãos de Bizâncio, ou Império Romano do Oriente, na segunda metade do século IX, tanto que a Grã-Duquesa Olga de Kiev e seu neto, Príncipe Vladimir de Kiev, foram batizados em Constantinopla em torno de 957 d.C..
Nos cinco primeiros séculos da Igreja Ortodoxa na Rússia, ela foi regida pelo Patriarcado de Constantinopla.
15 de dezembro de 1448, após a tomada de Constantinopla pelos turcos, a Igreja Ortodoxa na Rússia ficou independente de facto, com sua principal sede - Autocephalous Igreja (do grego αυτός κεφαλή – esta cabeça) - instalada no Grão-Ducado de Moscou.
E assim surgiu o Patriarcado de Moscou.
E assim surgiu a:
Ру́сская Правосла́вная Це́рковь (РПЦ)(другое официальное наименование — Моско́вский Патриарха́т (МП)) — самая крупная автокефальная поместная православная церковь в мире
Ou
Igreja Ortodoxa Russa (ROC) (outro nome oficial - O Patriarcado de Moscou (MP)) - a maior Igreja Ortodoxa Autocéfala local no mundo.
Ou
 Russkaya Pravoslavnaya Tserkov'
Ora, como não poderia deixar de ser o calendário adotado na Rússia foi o calendário juliano.
Pedro, o Grande “mudou a cronologia que começava com na chamada época bizantina "a partir da criação de Adão" para "o nascimento de Cristo”, com isso os 7.208 anos da ‘era bizantina’ se tornou relativo ao 1700 de nossa ‘era comum’.
Um fato importante para quem queria negociar com a Europa Ocidental.
Lutou com unhas e dentes para modernizar a vida cotidiana da Rússia (a proibição mais famosa sobre as barbas, sacrossantas para alguns, e até para o Boiardos), o início de uma nova nobreza educada segundo os princípios europeus, a formação de uma cultura ocidentalizada secular, introduziu livros traduzidos para o russo comum (o primeiro livro em russo com algarismos arábicos), permitiu escolas seculares, aprovou um novo alfabeto com formas simplificadas de letras, mas a Igreja para documentos litúrgicos continuou com a forma antiga, nessa modificação na língua russa, foram incluídas 4.500 novas palavras emprestadas de línguas europeias.
Fundou o primeiro jornal em russo.
Fundou uma gráfica que de 1700 até 1725 publicou o espantoso número de 1312 títulos, ou seja, duas vezes mais do que em toda a história anterior da tipografia russo.
A produção de papel passou de 8,4 mil folhas no final do século XVII, até 50.000 folhas, em 1719.
Aprovou a organização da Academia de Ciências, ou Академии наук, que só foi inaugurada em 1725 após a sua morte.
Para a construção de sua nova capital, São Petersburgo, contratou arquitetos estrangeiros, e juntos traçaram os planos urbanístico devidamente realizado de acordo com o plano inicial desenvolvido pelo próprio Pedro.
Assim, foi criado um novo ambiente urbano, o que levou os russos a adotarem um novo estilo de vida até em tão desconhecido para eles, chegando até a mudar o interior das casas, a composição dos alimentos, o modo de vestir, de se arrumar, etc. e tal.
Festas, fogos de artifícios, teatros e bailes, foram organizados como “passatempo ou lazer” da população.
“Nas festas públicas, nas celebrações, festivais especiais, foi introduzida a participação obrigatória da mulher, que antes ficava em casa e só os homens iam a esses eventos”.


As Assembleias e na gravura o próprio Pedro.

Salões literários a francesa, ou Saraus, com o nome de Assembleia de Pedro, ou Петровские ассамблеи, foram introduzidos a pedido de Pedro nas casas da Nobreza para com isso haver melhor comunicação, fraternização, criação do chamado ‘espirito de corpo’, ou "Честь мундира".
Nelas, as Assembleias
de Pedro, os “nobres dançavam e conversavam livremente, ao contrário de festas e banquetes anteriores da velha Rússia”.
“Pedro convidou artistas estrangeiros na Rússia e, ao mesmo tempo enviou jovens talentosos para estudar "Artes" no exterior, principalmente nos Países Baixos e Itália”.
“No segundo trimestre do século XVIII, os "Pensionistas de Pedro" começaram a voltar para a Rússia, trazendo com ela uma nova experiência artística e competências adquiridas”.
Manteve porem a postura “de joelhos perante o Soberano” alegando que era manifestação de “Menos mesquinhez, [uma demonstração de] mais zelo pelo serviço e [de] lealdade a mim e ao estado, [sendo] este [um] peculiar meio [de] homenagear o Soberano ...".
Tentou mudar o status da mulher na sociedade russa.
Por decreto proibiu o casamento e casamento forçado.
Decretou que entre o noivado e o casamento tinha que passar pelo menos seis semanas, um mês e meio, “para que os noivos podem conhecer uns aos outros”.
Foi concedido a noiva, e não apenas a sua família, o direito de terminar o noivado formal.
“Aos poucos, principalmente entre a nobreza, valores diferentes foram adotados, bem como uma nova visão de mundo, das ideias estéticas, que diferiam radicalmente dos valores e visão de mundo da maioria dos antigos russos”.


Pedro, o Grande, em 1709.
Gravura francesa do século XIX.

No campo da educação, Pedro teve que realizar reformas drásticas, principalmente porque a “elite” queria manter a ignorância antiguíssima dela (como estava, estava bom) e, também, manter o povo na “santa ignorância”, pois assim era mais fácil de manobra-lo, porem o Imperador não queria manter esse status quo, pois tinha clara consciência da necessidade de educar.
“Decretou o ensino obrigatório para a nobreza e para o clero, mas uma medida semelhante para a população urbana encontrou resistência feroz e foi cancelado”.
“Além, do que vários alunos com real saber foram enviados ao exterior para estudar”.
Em Moscou foram abertas as Escolas de Ciências Matemáticas, de Navegação, de Artilharia, de Medicina.
Em São Petersburgo a Escola de Engenharia e a Academia de Guarda Marinha ou da Academia Naval.
Foi aberta a primeira escola secundária na Rússia, bem como “escolas nas cidades do interior, com instruções de dar “educação em massa”, para isso deveriam chamar as " crianças de todas as classes para aprender a ler e escrever, fazer contas, etc... "
Para as crianças dos soldados foram organizadas escolas nas guarnições, nos quarteis”.
Para a formação de sacerdotes, uma rede de escolas religiosas.
A tentativa de Pedro falhou, pois, após sua morte, o projeto de criação de uma rede de escolas públicas foi totalmente abandonado.
Ficou só as escolas clericais para a formação de sacerdotes.
No entanto, o seu reinado lançou as bases para a disseminação da educação na Rússia.
так, что Бог благословит память Педро, большой
Assim, que deus abençoe a memória de Pedro, o Grande





A família de Pedro em 1717:
Catherine, Alexei Petrovich, Pedro, Anna e Elizabeth.

Esmalte em chapa de cobre.