quarta-feira, 25 de março de 2015

156- conversa - na França, os netos dos soberanos, quase sempre tem mais importância de que seus pais.

156 - conversa-  na França, os netos dos soberanos, quase sempre tem mais importância de que seus pais.- Rei ou Monarca- Parte 7.
Alguns Reis de França:
 Philippe IV, dit « Philippe le Bel » ou le Roi de Fer (né à Fontainebleau en avril/juin 1268 – mort à Fontainebleau le 29 novembre 1314), fils de Philippe III le Hardi (1245-1285) et de sa première épouse Isabelle d'Aragon, fut roi de France de 1285 à 1314, onzième roi de la dynastie des Capétiens directs.
T.L.:
Felipe IV, chamado de "Filipe, o Belo" ou o Rei de Ferro (nascido em Fontainebleau, em abril / junho 1268 - morreu em Fontainebleau 29 de novembro de 1314), filho de Filipe, o Temerário ou Ousado, (1245-1285) e sua primeira esposa Isabella de Aragão, foi rei da França 1285-1314, décimo primeiro rei da Dinastia Capetinianos direto.
Felipe, o Belo, era neto de São Luís.
Aqui chamo atenção de que na França, os netos dos soberanos, quase sempre tem mais importância de que seus pais.

Primeiro exemplo:
PHILLIPVS DEI GRATIA FRANCORUM REX (« Philippe, par la grâce de Dieu roi des Francs »).
Philippe II dit « Philippe Auguste », né le 21 août 1165 à Paris et mort à Mantes le 14 juillet 1223, est le septième roi de la dynastie dite des Capétiens. Il est le fils héritier de Louis VII et d'Adèle de Champagne.
T.L.: Felipe, chamado de “Felipe Augusto", nascido em Paris, no dia 21 de agosto de 1165 e falecido em Mantes, no dia 14 de julho de 1223, é o sétimo Rei da Dinastia dos Capetos Diretos. Ele é o filho e herdeiro de Luís VII e Adélia de Champagne.
Le surnom d'« Auguste » lui fut donné par le moine Rigord ((Rigordus) est un moine de Saint-Denis, médecin et historien) après que Philippe II eut ajouté au domaine royal en juillet 1185 (Traité de Boves) les seigneuries d’Artois, du Valois, d’Amiens et une bonne partie du Vermandois et également parce qu'il était né au mois d'août. Référence directe aux empereurs romains, ce terme signifie qu'il a accru considérablement le domaine.
T.L.: O apelido de "Augustus" foi dado a ele pelo monge Rigord (Rigordus), monge de Saint-Denis, médico e historiador, após Felipe II ter adicionado ao Domínio Real, em julho 1185 (Tratado de Boves), os senhorios Artois, Valois, Amiens, e grande parte do Vermandois, e também porque ele nasceu em agosto. Referência direta aos imperadores romanos, este termo significa que ele aumentou significativamente seus domínios.
Guillaume Le Breton le nomme « Philippe le Magnanime » dans sa chronique La Philippide rédigée entre 1214 et 1224.
T.L.: Guillaume Le Breton o nomeia de "Filipe, o Magnânimo " em sua crônica La Philippide escrita entre 1214 e 1224.
Philippe Auguste reste l'un des monarques les plus admirés et étudiés de la France médiévale, en raison non seulement de la longueur de son règne (18 septembre 1180 – 14 juillet 1223, 42 ans, 9 mois et 26 jours), mais aussi de ses importantes victoires militaires et des progrès essentiels accomplis pour affermir le pouvoir royal et mettre fin à l'époque féodale.
T.L.: Felipe Augusto continua a ser um dos monarcas mais admirados e estudados da França medieval, não só por causa do seu longo reinado (18 de setembro de 1180 - 14 de julho de 1223,
42 anos, 9 meses e 26 dias), mas também por suas vitórias militares importantes e progresso essencial para fortalecer o poder real e acabar com a era feudal.
Philippe Auguste est le premier roi ayant fait porter sur ses actes, sporadiquement à partir de 1190, officiellement à partir de 1204, Rex Franciæ, roi de France, au lieu de Rex Francorum, roi des Francs.
Interpretação:
Esporadicamente desde de 1190, Filipe Augusto ao assinar seus atos oficias e para valer, ou seja, oficialmente a partir de 1204 usava o Título de “Franciae Rex”, Rei da França, em vez de Francorum Rex, Rei dos Francos.
Amigos na adolescência, alguns afirmam que foram amantes de cama compartilhada, mesa e banho (Fontes: Bento de Peterborough, cronista do século XII, o historiador britânico John Harvey, ambos afirmam que o grande amor entre os dois por motivos desconhecidos se tornou um grande ódio. Já para Jean Flori, Doutor em Letras e Ciências Humanas (Pantheon - Sorbonne, 19810 e medievalista francês, os fatos revelavam a bissexualidade dos dois, etc e tal.... )  Felipe Augusto e Ricardo Coração de Leão, novo Rei da Inglaterra, Lorde da Irlanda, Duque da Normandia, Duque da Aquitânia, Conde de Anjou, Conde do Maine, sucedendo a seu pai, Henrique II, da Dinastia dos Plantagenetas, descendentes de Guilherme, o Conquistador, começaram a disputar a soberania do Ducado da Normandia em 1194.
É um verdadeiro jogo de xadrez, que acaba abruptamente com a morte de Ricardo, durante o cerco do château de Châlus-Chabrol (occitan limousin Chasteu de Chasluç-Chabròl), à Châlus en Haute-Vienne (Castelo de Chalus Chabrol (Occitan Limousin Chasteu de Chasluç Chabrol) em Chalus em Haute-Vienne) no hoje departamento francês de Haute-Vienne, localizado na região de Limousin, um Castelo-forte de propriedade de Adémar V de Limoges, Visconde de Limoges, através de uma flechada que gangrenou no dia 06 de abril de 1199.
Entretanto, Felipe Augusto continua suas investidas para dominar o Ducado da Normandia, pois sabe que o sucessor de Ricardo nos Tronos não é nem a sombra do falecido Rei e ex-amante.
João Sem-Terra, ou John Lackland - assim apelidado porque seu pai nunca poderia deixar-lhe domínios ou terras conforme a Tradição - era o posto do irmão em tudo, físico, sexo, moral, etc. e tal, e logo perdeu o Château-Gaillard, uma fortaleza, situada no centro de Le Vexin normand, uma região natural delimitada pelos vales do Epte , o Andelle e Seine, a 100 km de Paris , na cidade de Les Andelys, no hoje o departamento de Eure , na região de Haute-Normandie, em 1202, para a seguir perder a Cidade de Rouen, hoje departamento de Seine-Maritime, capital da região de Haute-Normandie, em 24 de junho de 1204.
“Em apenas dois anos, o Ducado da Normandia foi conquistado”.
Normandia Plantageneta dá lugar a Normandia Capetiniana.
Mais, não parou por ai, pois ocorreu a La bataille de la Roche-aux-Moines, em 2 de julho de 1214 perto da atual Savennières, no hoje Departamento de Maine-et-Loire, Região Pays de la Loire, onde lutaram os franceses contra os ingleses apoiados pelas forças de Otto IV do Sacro Império.
“Em 16 de Fevereiro de 1214, o Monarca Inglês desembarcou com suas tropas em La Rochelle. Felipe Augusto informado partiu para o ataque, com uma manobra destinada a enganar os seus inimigos e tentar mantê-los longe de Paris. O Rei da Inglaterra decidiu invadir a fortaleza da Roche-aux-Moines, governado por Guillaume des Roches, Senescal de Anjou, determinado a não ceder ao exército inglês. É armado o cerco em 2 de Julho de 1214. Felipe Augusto envia tropas sob o comando de seu filho, Luís, o Leão, futuro Rei Luís VIII. Com medo João-sem-Terra foge, largando todo o armamento, armas de assalto, etc., no local do cerco”.
Uma vitória francesa no Conflito entre as Dinastias Plantageneta e Capeto.
..E ai, aconteceu a Bataille de Bouvines, domingo, 27 de Julho de 1214, perto de Bouvines, no condado de Flandres (agora no Departamento do Norte).
De um lado as Forças de Felipe Augusto, reforçada pela a milícia comunal e apoiado por Frederick II de Hohenstaufen, futuro Rei da Alemanha, formalmente Rei dos Romanos, Rei da Sicília e de Jerusalém, e Sacro Imperador Romano, que o Papa Gregório IX o chamou de "o Anticristo “.
Do outro Forças de João- sem-Terra, agora Rei da Inglaterra, Lorde da Irlanda e Duque da Aquitânia, com apoio moral do Papa Innocenzo III, nascido Lotario dei Conti di Segni, que pontificou de 8 de janeiro de 1198 até 16 de julho de 1216.
O Rei João estava a frente de uma coalisão de nobres, a saber:   
1-      Otto IV, Rei da Alemanha, formalmente Rei dos Romanos, e Sacro Imperador Romano;
2-      Renaud de Dammartin, Conde de Boulogne, que prestou vassalagem a João-sem-Terra, e o arquiteto da coalisão;
3-      Guillaume I, Conde da Holanda;
4-      O filho mais novo de Sancho I, Rei de Portugal, de nome Ferrand de Portugal (Dom Fernando) esse o Conde consorte de Flandres e Hainaut;
5-       Henry I, Duque de Brabante;
6-      Thiebaud I, Duque de Lorraine;
7-      Henry III, Duque de Limburg;
8-      Auxiliados por vários outros pequenos Senhores Feudais;

A vitória de PHILLIPVS DEI GRATIA REX FRANCIAE foi acaçapante e teve as seguintes consequências:
1-      A França emerge como um grande Estado no Continente Europeus;
2-      Otto IV, depois de fugir, se torna o único Monarca da Dinastia Guelfo a ser deposto, fato ocorrido em 1215, perdendo assim seu Diadema Imperial e as outras Regalias;
3-      Ferrand (Dom Fernando de Portugal) Conde consorte de Flandres e Hainaut foi preso e passou 15 anos encarcerado no Louvre;
4-      Toma os domínios de Renaud de Dammartin, Conde de Boulogne, de Dammartin, d’ Aumale, e de Mortain, aliado de João-sem-Terra, e os dá a seu filho Philippe Hurepel de Clermont, contudo para melhor legitimar a doação faz o casamento dele com Matilde II, Condessa de Boulogne, filha do ‘confiscado de Dammartin”, que permanecerá preso na fortaleza de Goulet até sua morte em 1227;
5-      Despoja totalmente João-sem-Terra de seus domínios da Normandia, Maine, Anjou, Touraine e Bretanha, pois o Rei Inglês fugiu para a Inglaterra e com isso cessão as hostilidades.
6-      Derrotado, João-sem-Terra se viu obrigado a concordar com a La Magna Carta Libertatum, a Magna Carta do Barões ingleses, em 10 de junho de 1215. 

Com essa vitória Felipe Augusto não só consolida o Poder do Rei de França sobre esses domínios tomados do Rei João, como, também, fortalece a Dinastia dos Capetos, pois o povo o admira, tanto que seu retorno a Paris foi triunfante com festividades que duraram seis dias. -
Considera-se que essas festividades de 6 dias foram as primeiras manifestações de unidade nacional na França.
Mostrando modéstias o Rei de França escreveu a Universidade de Paris uma missiva na qual dizia entre outras coisas:
“Louez Dieu! car nous venons d'échapper au plus grave danger qui nous ait pu menacer... “
No dia seguinte a Vitoria  funda entre Senlis e Mont-Eveque, L’ abbaye de la Victoire ou l’abbaye Notre-Dame-de-la-Victoire-lès-Senli, a Abadia da Vitoria, que será integrada ao Bispado de Senlis, em 1486.
Graças à grande vitória de Felipe Augusto em Bouvines – ver abaixo - que marca o início do declínio do domínio senhorial, esse Grande Rei termina o seu reinado cercado de um grande entusiasmo popular.
Em 1180, Felipe Augusto casou com Isabelle de Hainaut, Condessa de Artois, filha de Baldwin V, Conde de Hainaut e tiveram:
1- Luís VIII, Rei de França;
2- Gêmeos (nascidos e falecidos em 1190).
Luís VIII, Le Lion, Luís, o Leão, aos 12 anos de idade, casou com Branca de Castela, filha de Afonso VIII, Rei de Castela e Leonor Plantageneta, portanto uma neta de Leonor da Aquitânia, a primeira esposa do seu avô, Luís VII Rei de França. A cerimónia ocorreu a 23 de Maio de 1200, depois de longas negociações entre Filipe Augusto e João-sem-Terra, tio da noiva.
Seu reinado foi breve – de 14 de julho de 1223 até 8 de novembro de 1226, 3 anos, 3 meses e 25 dias-  e não deu para ele fazer grandes coisas, mas ele teve tempo de ter com Branca os seguintes filhos:
1-      Branca (1205–1206)
2-      Inês (nascida e morta em 1207)
3-      Filipe (9 de Setembro de 1209 - Julho de 1218), casado ou apenas noivo de Inês de Donzy
4-      Afonso e João (gémeos nascidos e mortos em Lorrez-le-Bocage a 23 de Janeiro de 1207)
5-      Luís IX de França (1214-1270, seu herdeiro no trono da França, canonizado como São Luís em 1297
6-      Roberto I de Artois (1216-1250), o Valente, casado com Mafalda de Brabante
7-      Filipe (1218-1220)
8-      João (21 de Julho de 1219 - 1232), conde de Anjou e Maine
9-      Afonso III de Poitiers (1220-1271), conde de Poitiers e Auvérnia, e de Toulouse por casamento com Joana de Toulouse
10-   Filipe Dagoberto (20 de Fevereiro de 1222-1232)
11-   Estêvão (1225-1226)
12-   Isabel (1225-1269), abadessa fundadora de Longchamp
13-   Carlos I da Sicília (1226-1285), conde de Anjou e Maine, duque de Anjou, e rei da Sicília e de Nápoles, rei de Jerusalém e conde da Provença
O que prova que Luís IX, Rei de França, canonizado como São Luís, era neto do grande Reis Felipe Augusto.
É ou não é o que eu digo.
Segundo exemplo:
Não se pode dizer que São Luís foi um mau governante, muito pelo contrário, ele pôs ordem no reino que seu avô conquistou para si, para Luís VIII, seu filho e para seus descendentes Capetos.
Luís IX, Rei de França, canonizado como São Luís, casou com Margarida de Provença, e foram pais de:
1-      Branca (4 de Dezembro de 1240 - 29 de Abril de 1243)
2-      Isabel (2 de Março de 1242 - 27 de Abril de 1271), casada em 1258 com Teobaldo II, Rei de Navarra
3-      Luís (21 de setembro de 1243 ou 24 de Fevereiro de 1244 - 13 de Janeiro de 1260)
4-      Filipe III de França (1 de Maio de 1245 - 5 de Outubro de 1285), sucessor de São Luís no trono francês
5-      João (1246 - 10 de Março de 1248)
6-      João Tristão ou João de Damieta (8 de Abril de 1250 - 3 de Agosto de 1270), Conde de Valois, casado em 1266 com Iolanda da Borgonha, Condessa de Nevers
7-      Pedro (1251 - 6 de Abril de 1284), conde de Alençon e de Perch, senhor de Mortagne-au-Perche e Bellême, casado em 1272 com Joana de Châtillon, condessa de Blois e Chartres
8-      Branca (1252 ou 1253 - 17 de Junho de 1320), casada em 1269 com Fernando de La Cerda Príncipe Herdeiro do reino de Castela
9-      Margarida da França (1254 ou 1255 - Julho de 1271), casada em 1271 com João I, Duque de Brabante
10-   Roberto de França, Conde de Clermont (1256 – 7 de Fevereiro de 1317), casado em 1279 com Beatriz de Borgonha, Herdeira de Bourbon, ancestral de Henrique IV de França
11-   Inês (1260 - 19 de Dezembro de 1325), casada em 1279 com o duque Roberto II da Borgonha
Filipe III de França (1 de Maio de 1245 - 5 de Outubro de 1285), um Príncipe educado, culto, muito religioso, sucessor de São Luís no trono francês, reinou de 25 de agosto de 1270 até 5 de outubro de 1285, portanto 15 anos, 1 mês e 10 dias.
Felipe foi proclamado Rei em Túnis, quando da morte de seu pai, afinal “Rei morto, Rei posto”, todavia já demostrava ser “Sans beaucoup de personnalité ou de volonté, très pieux, bon chevalier, plus impuissant à se battre, mais il avait à tenir son surnom de « Hardi » (Sem muita personalidade ou vontade, muito piedoso, bom cavaleiro, mais impotente para lutar, mas ele tinha que manter seu apelido de “Audaz”), assim ele delega a seu tio, Carlos d’Anjou, ), conde de Anjou e Maine, duque de Anjou, e rei da Sicília e de Nápoles, rei de Jerusalém e conde da Provença, não só o comado, bem como a atribuição de negociar com o Sultão de Túnis,  Abû `Abd Allah Muhammad al-Mustansir, uma trégua de dez anos, o que lhe permite voltar para a França, recebendo, também, um  tributo pela saída dos Cruzados da região. Isso tudo constava de um tratado assinado em 28 de outubro de 1270 entre os Reis da França, da Sicília e Nápoles, de Navarra, o Sultão de Túnis, e seus Nobres.
Felipe III chegou a Paris 21 de maio de 1271, e foi Ungido e coroado Rei de França em 15 de agosto 1271, na Basílica Real de Reims.
Seu período no Trono é “marcado por disputas territoriais, disputas de heranças e guerras de vassalagem”, fato que seu pai tentou evitar ao máximo, contudo o Rei Felipe III faz de tudo para aumentar seus domínios através de heranças anexações, compras, e guerras.
O primeiro patrimônio a ser anexado aos Domínios Reais foi o de seu tio, Alphonse de Poitiers, ou seja, os Condado de Toulouse, de Poitiers (Poitou) e parte do Condado d’Auvergne, mas cede a Eduardo I, Rei da Inglaterra, alguns importantes domínios, Saintonge e Ponthieu.
Herda de seu irmão Pedro, os Condados de Alençon e de Perche e os senhorios de Mortagne-au-Perche e Bellême.
Compra os Condados de Nemours e Chartres e várias cidades, como Harfleur (departamento de Seine-Maritime na região de Haute-Normandie) ou Montmorillon (centro-oeste da França, localizada no hoje departamento de Vienne na região Poitou-Charentes).
Etc. e tal...
Fortalece a sua Corte e suas Instituições em detrimento das outras espalhadas pela França, administra, cria cargos, decreta que a maioridade para ser Rei é de 14 anos completo, multa a Nobreza por não participar dos exércitos do Rei, “e finalmente, institucionalizou a segregação aos judeus”.
Como não tinha vocação, nem estomago, para combater perdeu a guerra em que se meteu contra a Catalunha, tanto na Batalha de naval de Formigues de 1285, nas costas das Ilhas  Formigues, arquipélago situado a  três quilômetros do porto de Palamos ( Gerona, situada hoje a nordeste da comunidade autônoma da Catalunha ), no Mar Mediterrâneo, quanto na Bataille du col de Panissars ( batalha da Passagem de Panissars), uma passagem situada a leste dos Pirineus, fronteira entre Espanha e França , entre Le Perthus ( hoje departamento de Pyrenees-Orientales e região de Languedoc-Roussillon)  e La Jonquera ( hoje município da Espanha na província de Girona, comunidade autónoma da Catalunha), travada entre 30 de Setembro e 1 de Outubro de 1285.
Como grande consequência dessas Batalhas, Felipe III faleceu em Perpignan (hoje uma cidade no sul, departamento de Pyrénées-Orientales, região de Languedoc-Roussillon), em 5 de outubro de 1285.
A técnica usada em São Luís havia sido perdida, e o corpo de Felipe III foi dividido em partes, num processo denominado de “delaceratio corporis “, ou “divisão do corpo", ou seja, separavam o coração, as entranhas e os ossos.
O de Felipe III foi assim dividido em quatro, não em três:
1-      Seu corpo- as carnes- é enviado para a Catedral de Narbonne (não tenho ideia de como isso foi feito, é estranho já que retiraram os ossos);
2-      Suas entranhas à Abbaye de la Noë, abadia cisterciense fundada no século XII, na Normandia,
3-      Seus ossos que unem aos da família na Necrópole Real de Saint-Denis,
4-      Seu coração, confiado a seu confessor Dominicana que dá ao Couvent des Jacobins de la rue Saint-Jacques, os dominicanos jacobinos de Paris.
Esta prática proibida por um decreto do Papa Bonifácio VIII, em 1299, foi muito usada pelos Monarcas da Dinastia Capeto, não só na França, mas, também, em outros países, pois permitiam a multiplicação de cerimônias fúnebres, e de lugares onde os Monarcas falecidos seriam homenageados e assim homenagear a essas localidades.
Dom Pedro I legou seu coração a Cidade do Porto, “Invicta Cidade do Porto”, ainda hoje presente no listel das suas armas, donde o epíteto com que é frequentemente mencionada por antonomásia - a «Invicta», em homenagem ao contributo dado pelos seus habitantes à causa liberal”. Seu corpo foi sepultado no Panteão dos Braganças, na Igreja de São Vicente de Fora em Lisboa, mas hoje seus restos mortais repousam na Cripta Imperial do Monumento à Independência, localizado no Museu do Ipiranga em São Paulo, Brasil.
Antes de terminar:
Felipe III em 28 de maio de 1262, em Clermont-Ferrand, casou com sua primeira esposa Isabel de Aragão, filha do Rei Jaime I de Aragón el Conquistador, Rey de Aragón, Mallorca, Valencia, Conde de Barcelona y Señor de Montpelier, e de Violante de Hungria, filha do rei André II da Hungria e sua segunda esposa Yolanda de Courtenay, filha de Pedro II de Courtenay, Imperador do Império Latino de Constantinopla desde 1216 a 1217.
Deste casamento nasceram quatro filhos:
1-      Luís de França- É o herdeiro da Coroa da França, de 25 de agosto de 1270 (data da morte de seu avô São Luís), sua própria morte prematura com a idade de 12 ou 13 anos.
2-      Filipe de França, ou Felipe, o Belo, (futuro Filipe IV de França), Rei de França e Rei- consorte de Navarra e França
3-      Roberto de França- faleceu com 10 anos, pois nasceu em de 1269 até 1276;
4-      Carlos de França, em apanágio Conde de Valois, de Alençon, de Chartres e de Perche, Rei Titular de Aragão – proclamado em Paris, fevereiro de 1284, aos quatorze anos, sob a autoridade da Santa Sé, e essa foi a primeira das Coroas Imaginarias que se apresentaram em sua vida - Conde-consorte de Anjou e do Maine, por seu casamento com Margarida de Anjou, filha de Carlos II, Rei de Nápoles, da Albânia, Príncipe de Salerno e da Acaia, Conde de Provence e Forcalquier e de Anjou, e de Maria da Hungria, filha de Estêvão V, Rei da Hungria, e de Isabel da Cumânia, filha de Kuthen, Khan da Cumânia, Tribos Tártaras de origem Turca denominadas Cumenos pelo Império Bizantino. Pelo casamento com Catherine I de Courtenay, Imperatriz Titular de Constantinopla, única filha e herdeira do Imperador Titualr de Constantinopla, Filipe I de Courtenay, e de Beatrice da Sicília, se tornou Imperador Titular de Constantinopla, outra Coroa Imaginaria.
Voltemos...
...E o novo Rei da França, Filipe IV, o nosso Felipe, o Belo, decidiu voltar para a Paris.
Como se vê o neto de São Luís assume o Trono de França, porta na fronte a Coroa, e em GRANDEZA suplantara seu avô santificado.
Terceiro exemplo:
Henrique IV, Henri IV, Henri le Grand, nascido Henri de Bourbon, Rei de Navarra, depois Rei de França e de Navarra, Chefe da Casa de Bourbon, um descendente de São Luís, primeiro Príncipe de Sangue, o primeiro Monarca francês do Ramo de Bourbon da Dinastia dos Capetos, que foi assassinado em 14 de maio de 1610 pelo um fanático frade François Ravaillac , em plena rue de la Ferronnerie, em Paris .
Em segundas núpcias Henrique IV casou com Marie de Médicis, nascida Principessa Maria de' Medici, sexta filha de Francesco I de Medici, Grão-Duque da Toscana, e de Joana da Áustria, Arquiduquesa da Áustria, filha de Ferdinand I, Imperador Sacro e da Imperatriz Anne, filha de
Vladislav IV, Rei da Hungria e da Boêmia, e Anne de Foix, da Dinastia Jagellon, uma nobre família originaria a Lituânia.

Foram pais de:
1-       Élisabeth, fille de France, Rainha de Espanha,
2-      Christine, fille de France, Duquesa de Savoia,
3-      Monsieur d’Orléans (1607-1611), nascido Nicolas ou Nicolas-Henri, fils de France e Duque d'Orléans,
4-      Gaston, fils de France, depois Monsieur le frère du Roi, Duque d'Orléans, de Chartres, de Valois, d'Anjou e d'Alençon, Conde de Blois, de Montlehery e de Limours, Barão d'Amboise e Seigneur de Montargis,
5-      Henriette, fille de France, Rainha da Inglaterra.

Deixei separado o filho mais velho do casal:
Louis XIII, surnommé « Louis le Juste », né le 27 septembre 1601 au château de Fontainebleau et décédé le 14 mai 1643 au château neuf de Saint-Germain-en-Laye, est Roi de France et de Navarre entre 1610 et 1643.
T.L.: Luís XIII, apelidado de "Luís, o Justo", nascido 27 de setembro de 1601 em Fontainebleau e morreu 14 de maio de 1643 no novo castelo de Saint-Germain-en-Laye, foi Rei de França e de Navarra entre 1610 e 1643.
Se não fosse Armand Jean du Plessis de Richelieu, o Cardeal - Duque de Richelieu e de Fronsac, seu Ministro-Chefe, seu reinado teria sido desastroso para a França, para Europa e para a Civilização ocidental.
Contudo tanto Richelieu quanto seu sucessor no Cargo de Ministro-Chefe, Mazarino, preparam a França para um grande reinado, o governo do filho de Luís XIII e de sua esposa, Infanta Ana d’Áustria, uma espanhola da Casa d’Áustria, que é um ramo da Dinastia Habsburgo, chamado na pia batismal de Louis-Dieudonné.
Louis-Dieudonné será no futuro Louis XIV, dit Louis le Grand, ou le Roi-Soleil, de quem falaremos em outra conversa, mas que é um neto de Henrique IV, Henri IV, Henri le Grand, nascido Henri de Bourbon, Rei de Navarra, depois Rei de França e de Navarra.
Tenho ou não razão sobre os grandes avós e netos?

Continua...