quarta-feira, 8 de abril de 2015

158 - conversa- - Danças & Contradanças dos Príncipes de Valois - Rei ou Monarca.

158 - conversa- - Danças & Contradanças dos Príncipes de Valois - Rei ou Monarca.



Valois

Casa de Valois originaria de Carlos, Conde de Valois, filho de Filipe III, irmão de Filipe IV, e pai de Felipe VI, todos Reis de França:

Carlos VIII, o Afável, Rei de França de 30 de agosto de 1483 até 7 de abril de 1498, reinando por 14 anos, 7 meses e 8 dias, era casado com Anne de Bretagne, Duquesa por direito próprio da Bretanha e Condessa por direito próprio de Montfort, já que era filha de Francisco II, ou Frañsez II em bretão, Duque da Bretanha e Conde de Montfort, e sua segunda esposa Margaret de Foix, Princesa de Navarra, portanto da Maison de Montfort.
Esse casamento trouxe para a Coroa de França uma de suas joias mais raras, o Ducado da Bretanha.
Anne teve vários abortos e seis filhos, todos morreram na infância, o que fez com que Carlos VIII não tivesse um Herdeiro direto para a Coroa de França, quando morreu ao “participar do jeu de paume (jogo de ténis) de traumatismo craniano, pois ao ir para o local da partida havia batido com a cabeça numa verga de porta, aos 27 anos, em 7 de abril de 1498, no Château d'Amboise”.
“Para conseguir os direitos do trono de Nápoles deixado por seu pai, Carlos fez uma série de concessões às monarquias vizinhas e conquistou a Península Itálica sem muita oposição. Em 22 de fevereiro de 1495, tomou posse de Nápoles, e passou a viver em um ambiente festivo em função de seus sucessos, porem a coalizão formada entre 1494 e 1498 contra a invasão francesa acabou expulsando o exército francês, entretanto as Guerras Italianas acabariam dominando as políticas europeias por mais de cinquenta anos”.
Ao morrer Carlos deixou a França com grandes dívidas e em desordem social.
Ao debandar da Península Italiana, Carlos VIII carregava consigo milhares de obras de arte, introduzindo, dessa maneira, o Renascimento em França, o que na realidade foi o seu único Legado para a Posteridade.
Carlos foi o último Rei de França do Ramo mais antigo da Casa de Valois, acima já citada.
A Rainha viúva Anne voltou para Bretanha, e como Duquesa Hereditária da Bretanha, começou uma luta tenaz para recuperar a independência do Ducado.
Não foi possível, como veremos mais abaixo.

O Herdeiro de Carlos VIII.
Luís de Orleans, da Casa de Valois do Ramo de Orléans = Valois- Orléans.


O emblema de Luís XII, um porco-espinho, Hotel de Bourgtheroulde, Rouen

Louis XII de France.jpg

Luis XII, o Pai do Povo

Luís de Orleans é filho de Carlos d’Orléans, o príncipe poeta, e Marie de Cleves, filha de Adolfo I (Adolfo IV de la Marck), Duque de Cleves, e Maria de Borgonha, filha de João sem Medo , Duque de Borgonha.
Marie de Cleves era cultíssima, tinha uma biblioteca de livros de liturgia para os fiéis católicos leigos, entre eles um Livre d'heures - “livro de horas” - encomendado a Jean Fouquet, é considerado um dos maiores pintores do início do Renascimento Frances e modernizador da pintura francesa no século XV.
É neto de Luís I, Duque de Orléans (irmão mais novo do Rei Carlos VI), que foi assassinado em 1407 por João sem Medo, Duque de Borgonha, Conde de Flandres, d’Artois e de Charolês, Conde Palatino da Borgonha, Senhor de Macon, de Chalon e outros lugares, Príncipe francês do Casa Capetiniana de Valois.
É bisneto de Charles V, o sábio, Rei de França de 8 de abril de 1364 até 16 de setembro de 1380, reinado por 16 anos, 5 meses e 8 dias.
Seu pai morreu quando ele tinha três anos, e assim tornou-se um dos pupilos de Luís XI, o Prudente, pai de Carlos VIII, que lhe forneceu uma educação muito sabia e muito rígida.
Era um rebelde.
Participou de La Guerre folle.
Uma guerra entre o Reino da França, e o Império Sacro, dos Reinos, dos Ducados e Feudos, entre 1485 e 1488. Com vitoria do Reino de França.
Do lado do Reino da França:
Comandantes:
Carlos VIII, Rei da França
Anne de France ou Anne de Beaujeu, filha de Luis XI, o Prudente, e Charlotte de Savóia, Regente de França durante menoridade de Carlos VIII.
Louis II de la Trémoille, Trigésimo quinto (35) Visconde de Thouars, Príncipe de Talmont, Conde de Benon e de Guines, Barão de Mauleon e Craon, Senhor de La Tremoille, de Sully, de Île de Ré e de Marans, de Châteauneuf-sur-Sarthe, de Buron, de Saint-Germain, de Briollay , de Possonniere, de Isle-Bouchard, Primeiro Camareiro do Rei, Governador de Bourgogne, Tenente-general e Almirante da Bretanha e Guyenne.

Antoine-Philippe de la Trémoille, Prince de Talmont, 

O Principado de Talmont ficava em Talmont-Saint-Hilaire é uma cidade no centro-oeste da França, localizada na costa da Luz, no departamento da Vendée na região Pays de la Loire, e o último de seus senhores foi Antoine-Philippe de la Trémoille, Prince de Talmont, depois de ser barbaramente torturado foi guilhotinado pelos Revolucionários de 1789, em 27 de janeiro 1794, com 28 anos, nos portões de Le Vieux-Château de Laval, o Velho Castelo de Laval, em Laval, “ uma comuna francesa, capital do departamento de Mayenne, na região do Pays de la Loire. Localiza-se perto da Bretanha, onde a Normandia faz fronteira com Anjou”.
Sua cabeça sofreu diferentes profanações ela foi colocado em um candelabro por Jean-Louis Guilbert, ex-padre e membro da comissão revolucionária, em seguida, colocada em uma lança e exposta ao longo dos portões do Castelo de Laval. Dois dias depois, a cabeça do Príncipe foi enterrada no pátio do castelo.

Do lado do Império Sacro, dos Reinos, dos Ducados e Feudos:
Ducado de Lorraine
Ducado da Bretanha
Santo Império Romano Germânico
Reino da Inglaterra
Reino de Castela e Leão.
Comandantes:
René II de Lorraine
François II de Bretagne
Maximilien Ier du Saint-Empire
Louis d'Orléans
Charles d'Angoulême
Odet d’Aydie
Jean IV de Chalon-Arlay
Alain d'Albret
Jean IV de Rieux

Louis d'Orléans, o Herdeiro de Carlos VIII, da Casa de Valois do Ramo de Orléans, é preso como rebelde depois da la bataille de Saint-Aubin-du-Cormier, cidade hoje no departamento de Ille-et-Vilaine, Região da Bretanha, em julho de 1488.
Fica três anos preso, passando de cadeia em cadeia - de d’Angers, de Sablé de Lusignan, de Poitiers, de Mehun-sur-Yèvre e de Bourges - até que recebe o perdão e segue seu primo, Carlos VIII, na Campanha da Itália, ou na Primeira Guerra da Itália, quando tentou em vão conquistar o Ducado de Milão para si mesmo.
Com a morte de Carlos VIII é aclamado Rei de França, e começa bem, com uma frase de efeito, numa tentativa de reconciliação com os Nobres do Reino, que na época soou como se ele estivesse enfatizando a continuidade da Dinastia dos Capetos:
« le Roi de France ne venge pas les injures faites au Duc d'Orléans »
T.L.: O Rei de França não se vingará das injúrias feitas ao Duque d’Orleans”.

Sagrado e Coroado em 27 de maio de 1498, na catedral de Reims, governou a França de
7 de abril de 1498 até 1 de janeiro de 1515, ou seja, 16 anos, 8 meses e 25 dias.
Casamentos:
1-      Com Jeanne de France, ou Joana, a Coxa, Santa Joana de Valois, O.Ann.M. na Igreja Católica,  nascida em 23 de abril de 1464 em Nogent-le-Roi, falecida em 4 de fevereiro de 1505 em Bourges.
Segunda filha de Louis XI, Rei de França, e Charlotte de Savoia.
“Em 8 de Setembro 1476, com a idade de 12, foi obrigada a casar com o jovem Luís, Duque de Orléans, o futuro Luís XII, pois ela era supostamente estéril, e ao contratar essa União, Luís XI esperava extinguir os Orléans, que como sabemos era uma Ramo cadete da Casa de Valois”.
“Após a morte de seu irmão, o Rei Carlos VIII, em 1498, seu marido chegou ao Trono da França sob o nome de Luís XII, e o novo Rei apressou-se a anular seu casamento com Jeanne, alegando que nunca havia sido consumado”.
Na verdade ele queria casar de novo, é seu alvo era a Rainha retirada Anne da Bretanha, Duquesa da Bretanha, ex-esposa de seu predecessor, e pôr a mão no Ducado e outros domínios da viúva rica.
Tinha que apelar para o Papa Alexandre VI, que era ninguém mais do que o Grande Pecador, homem de muitas mulheres e muitas orgias, pai de filhos terríveis, de nome Roderic Llançol i de Borja, ou Rodrigo de Borja, italianizado em Roderico Borgia, espanhol de Valência, em 1 de Janeiro de 1431, eleito Papa em 11 de Agosto de 1492, e falecido com 72 anos, em 18 de agosto de 1503.


                                           Era um pandego esse Rodrigo/Alexandre.

Luís XII dá a Cesar Borgia, filho do Papa, ele mesmo Cardinale di Santa Romana Chiesa, Cardinale diacono di Santa Maria della Scala è collegata alle chiese di Santa Maria Antiqua, Santa Maria Nuova e Santa Maria della Scala, Capitano generale della Chiesa, ou seja, Chefe dos Exércitos Papais, o Ducado de Valentinois , por ele , o Rei, criado, em  17 de agosto de 1498.
Com isso a anulação foi garantida.


Cesar Borgia

Joana de França, Rainha de França (de 7 de abril de 1498 até 17 de dezembro de 1498, 8 meses e 10 dias), mas que foi Duquesa consorte de Orléans por 21 anos, 6 meses e 30 dias, de 8 de setembro de 1476 até 07 de abril de 1498, foi elevada em apanágio a Duquesa de Berry, e retirou-se para Bourges, capital do Ducado.
 Joana preencheu completamente seus deveres e se devotou ao bem estar dos súditos. Em 1500, com seu diretor de consciência franciscano Gilbert Nicolas, Joana fundou a Ordem da Anunciação, ordem de prece e penitência, cuja regra principal era imitar as virtudes de Maria como narradas nos Evangelhos.
No fim da vida tomou votos, abandonou a aliança de casamento e vestiu o hábito, por baixo das vestes formais, adotando o nome de Irmã Joana Mariana. Apesar da má saúde, em constante sofrimento, tinha-se penitenciado todos os dias, e se abandonava muitas horas à oração. Rezava incessantemente pelo marido, e deixou como orientação à Ordem rezar pela alma dele, pela de seu irmão e pela de seu pai. Milagres se sucederam, após sua morte, e em 1514 o papa Leão X permitiu às Anunciadas honrarem-na por um ofício especial. Joana foi beatificada pelo papa Bento XIV em 18 de junho de 1742 e depois canonizada por Pio XII em 1950.
As freiras da Ordem da Virgem Maria ainda manter seu modo de vida nos mosteiros na França, Bélgica, Costa Rica e Polônia. As irmãs religiosas servem na Bélgica, Burundi, Camarões, República Democrática do Congo, França e Guatemala.

Retrato de Santa Joana de Valois
Pintado por Jehan Perréal

2-      Com Ana da Bretanha, Duquesa da Bretanha - 1488-1514, Condessa de Montfort - 1488-1514, Condessa de Étampes - 1512-1514, descrita como astuta, orgulhosa e arrogante, patronesse das artes, amante da música, colecionadora compulsiva de tapeçarias, é muito provável que as tapeçarias do unicórnio agora em exibição no The Cloisters Museum, em Nova York, foram encomendados por ela em comemoração de seu casamento com Luís XII,  como, também, de “ Manuscritos iluminados”- Enluminure-,  de “Livros de Horas”, sendo o mais famoso Les Grandes Heures d'Anne de Bretagne, madrinha  dos livreiros e dos impressores, nascida em Nantes, no dia 25 de Janeiro de 1477, e falecida em Blois no dia 9 de Janeiro de 1514, com 36 anos.


 
A culta Ana recebe o famoso Les Grandes Heures de Anne de Bretagne


Teve uma vida cheia.
Prometida várias vezes, a saber:
a-      A Eduardo, o Príncipe de Gales, filho de Eduardo, Rei da Inglaterra;
b-      A Maximiliano, Rei dos Romanos e Arquiduque da Áustria, Imperador Sacro, viúvo de Maria de Borgonha, filha e herdeira de Carlos, o Temerário;
c-       A Alain I d’Albret, filho de Catarina de Rohan e Jean I d’Albret, sire d'Albret , Visconde de Tartas, na Aquitânia. Anne se recusou a casar com ele porque ela o encontrou repulsivo.
d-      Ao próprio Luís XII, como Duque de Orléans;
e-      A João IV de Chalon-Arlay, Príncipe de Orange;
f-       A Eduardo Stafford, terceiro Duque de Buckingham;
h-      A João II, Visconde de Rohan.

Casou por procuração em Rennes em 18 de dezembro 1490, com Maximiliano I, pela graça de Deus eleito imperador do Sacro Império Romano, para sempre Rei da Alemanha, da Hungria, Dalmácia, Croácia, etc. Arquiduque da Áustria, Duque de Borgonha, Brabant, Lorraine, Styria, Caríntia, Carniola, Limburg, Luxemburgo , Gelderland, Landgrave de Alsace, Príncipe da Suábia, Conde Palatino de Borgonha, Conde principesco de Habsburgo, Hainaut, Flanders, Tyrol, Gorizia, Artois, Holanda, Zelândia, Ferrette, Kyburg, Namur, Zutphen, Margrave do Sacro Império Romano, o Enns, Burgau, Senhor da Frísia, do Wendish , da Marca de Pordenone, de Salins, de Mechelen, etc. etc., o que fez dela Rainha dos Romanos, Arquiduquesa d’ Áustria, mas o contrato/matrimonio foi dissolvido pelo Papa, mas  nessa altura Anne já havia se casado com o Rei francês, Carlos  VIII (que era ex-noivo da filha de Maximiliano da Áustria).



             Representação em Cera do casamento de Carlos VIII e Ana da Bretanha
No Castelo de Langeais

O que tinha acontecido para esse arranjo matrimonial?

O Rei de França denunciou a Anne da Bretanha porque ao se casar com Maximiliano, ela violou o Tratado de Sablé (o Rei da França não havia consentido o casamento), mas, também, criou um grande perigo para a Coroa de França, pois  reintroduziu um inimigo dos franceses como governante da Bretanha, o que eles queriam evitar durante os séculos 14 e 15”.
Carlos VIII com todo seu exército foi a luta para que esse casamento não se consumasse.
Na primavera de 1491 o general francês La Trémoille (o vencedor anterior da Batalha de Saint-Aubin-du-Cormier), sitiou Rennes, onde Anne estava, a fim de forçá-la a desistir de seu casamento Habsburgo. Depois de dois meses de cerco, Carlos VIII entrou na Cidade, e ambas as partes assinaram o Tratado de Rennes. Em seguida, escoltada por seu exército (ostensivamente para mostrar que ela tinha de bom grado consentido o casamento), Anne foi para Langeais para se casar com o Rei de França.
“O casamento oficial entre Anne e o Rei da França foi comemorado no Grande Salão do Château de Langeais, em 06 de dezembro de 1491, ao amanhecer. A cerimônia foi concluída de forma discreta e com urgência, porque era tecnicamente ilegal até que o Papa, em troca de concessões substanciais, validou a união em 15 de fevereiro 1492, já que tinha concedido a anulação do casamento por procuração com Maximiliano de Habsburgo”.
Langeais é uma comuna francesa na região administrativa do Centro, no departamento Indre-et-Loire.
Portanto Arquiduquesa da Áustria e Rainha da Alemanha, de 19 de dezembro de 1490 até 06 de dezembro de 1491, 11 meses e 17 dias.
Rainha consorte da França – por primeira vez com Carlos VIII - De 6 de dezembro de 1491 até 07 de abril de 1498, coroada na Basílica de Saint Denis em 8 de fevereiro de 1492, portanto Soberana consorte por 6 anos, 4 meses e 1 dia.
Pela conquista de Carlos VIII do Reino de Nápoles, foi Rainha consorte de Nápoles e de Jerusalém de 1495 até 1495.




Château de Langeais

Anne da Bretanha foi Rainha consorte da França pela segunda vez com Luís XII, de 8 de janeiro de 1499 até 9 de janeiro de 1514. Coroada na Basílica de Saint Denis em 18 de novembro de 1504, portanto Soberana consorte por 15 anos, 0 meses e 1 dia.
O casal Real vivia principalmente no Château de Blois, onde a Rainha exercitava seu bom gosto, seu amor pela Artes e Música.
Tiveram os seguintes filhos:
Claude de France, nascida em Romorantin, hoje Romorantin-Lanthenay, no departamento de Loir-et-Cher na região Central do Loire, capital da Sologne, em 13 de outubro 1499, que foi Duquesa da Bretanha, Condessa de Montfort,  de Soissons, de Blois, de Coucy, de Estampes, e mais tarde também se tornou Rainha consorte da França e Duquesa - consorte de Milão como esposa de Francisco I, de quem trataremos em outra conversa:
Aborto (1500).
Filho natimorto (21 de janeiro de 1503).
Aborto (final 1503).
Aborto (1505).
Aborto (1508).
Aborto (1509).
Renée da França (25 de outubro de 1510 - 12 de junho de 1574), por apanágio Duquesa de Chartres e senhora de Montargis, casou com Ercole II d’Este, o Duque de Ferrara, e se tornou Duquesa consorte de Ferrara, de Modena e Reggio.
Ercole II d’Este era filho mais velho de Alfonso I d'Este e Lucrezia Borgia, neto de Papa Alexandre VI, sobrinho de Cesare Borgia, e primo de São Francisco de Borja.
Filho natimorto (janeiro 1512).

Lucrezia Borgia
A Terrível.

Anne ou Ana, Rainha de França e Duquesa da Bretanha, com a saúde abalada por muitas gravidezes e abortos, morreu por complicações renais  no Château de Blois às 6 horas da manhã de 09 de janeiro de 1514.
Em seu testamento ordenou a partição habitual de seu corpo ( corporis dilaceratio , "divisão do corpo" , o coração, as vísceras e os ossos) um privilégio da Dinastia Capeto , o que permitiu várias cerimônias , em vários lugares pelo reino afora.
Ela foi enterrada na necrópole de Saint Denis. Seu funeral foi excepcionalmente longo, durando 40 dias, e inspirou todos os futuros funerais reais francesas até o século 18.
Nesta ocasião, o Rei de Armas da Bretanha, Pierre Choqué, pronunciou pela primeira vez o lamento tradicional:
! La reine est morte! la reine est morte! la reine est morte!

T.L.: A rainha está morta! A Rainha está morta! A rainha está morta!

Várias missas foram celebradas, bem como requiems foram cantados, bem como outras cerimonias em memória da Rainha foram realizadas tanto em França, quanto na sua Bretanha natal..

Relicário onde foi colocado o coração de Ana da Bretanha.
Museu Dobrée
Em 19 de março 1514, o coração de Anne foi colocado em um relicário de ouro, em seguida, transportado para Nantes.
Depositado no túmulo de seus pais na capela dos frades carmelitas.
Mais tarde transferido para a Catedral de Saint-Pierre.
Em 1792, por ordem da Convenção Nacional, o relicário foi desenterrado e esvaziado, e foi enviado a Paris para ser derretido, mas foi mantido na Biblioteca Nacional.
Ele foi devolvido a Nantes em 1819 e mantido em vários museus; ele está o Museu Dobrée, em Nantes, desde 1896.
O mausoléu duplo de Luís XII e de Ana da Bretanha, foi em mármore de Carrara, foi instalado na Basílica de Saint Denis em 1830.
3-      Com Marie d'Angleterre, Maria Tudor, Princesa da Inglaterra, filha mais nova de Henrique VII, da Dinastia Tudor e Elizabeth de York, cerimonia realizada em 9 de outubro 1514, na cidade de  Abbeville, hoje no departamento de Somme, região e Picardia, ela com 18 anos, ele com 52.
Com isso foi selada a amizade entre os dois Soberanos.
Luís XII enfraquecido pela idade, por frequentes sangramentos intestinais, pela gota, por dores lancinates pelo corpo, morreu três meses depois, em 1 de Janeiro de 1515, no Hotel Tournelles, um complexo de edifícios no norte do atual Place des Vosges em Paris.
Maria da Inglaterra, da Casa Tudor, foi Rainha de França por dois meses e 23 dias, e viúva voltou para a Corte paterna, onde casou com seu segundo marido, Charles Brandon, Duque de Suffolk, 
Na realidade casaram secretamente  em 3 de março de 1515, em Paris,o que " tecnicamente era uma traição, pois  Brandon tinha se casado com uma Princesa Real sem o consentimento do Rei, do Rei Henrique, que além do mais era pai da noiva.
Um pai e Rei indignado pediu ao Conselho Privado que o casal Brandon fosse preso e executado.
O Cardeal Thomas Wolsey conseguiu que a pena de morte fosse transformada em uma multa cujo valor era todo o ouro e todas as joias que Maria havia recebido de presente do Rei de França.
Depois de Maria pagar a multa, Henrique VII apoiou a união dos dois.
Uma cerimônia pública foi realizada no Palácio de Greenwich, em 13 de maio do mesmo ano.
Tiveram quatro filhos, duas filhas e dois filhos:
Henry Brandon (11 de março 1516-1522)
Lady Frances Brandon (16 de julho de 1517 - 20 de novembro de 1559), que se casou com Henry Grey, terceiro Marquês de Dorset, e era os pais de Lady Jane Grey
Lady Eleanor Brandon (1519 a Setembro 1547), que se casou com Henry Clifford, segundo Conde de Cumberland.
Henry Brandon, 1º Conde de Lincoln (c.1523 - março 1534).

Mary Tudor e Charles Brandon

Luís XII, o Rebelde, etc e tal, havia compreendido as manhãs dessas “Danças & Contradanças dos Príncipes de Valois” e casou sua filha Claude, com o filho de seu primo Carlos d'Orléans, Conde d'Angoulême, de nome François de Paule, do Ramo de Valois-Angoulême, futuro Francisco I, le Roi emblématique de la période de la Renaissance française, para assim garantir que sua Linhagem ocupasse o Trono de França.
  

François I à la bataille de Marignan.