sábado, 18 de abril de 2015

CASA MEDICI -1

164/ D- conversa-  Henrique IV, o apostata - Rei ou Monarca.

Mais, os Médici emplacaram a sua Maria, Maria de' Medici, em italiano.



Brasão d’Armas da Casa de 'Medici.
D’oro, a cinque palle di rosso e una rotella d’azzurro,
ordinate in cinta, la rotella carica di tre gigli, d’oro
A origem dessas armas está envolta em uma lenda.

 “Averardo de 'Medici, que viveu entre os séculos XIII e XIV, um comandante do exército de Carlos Magno, na luta contra os Lombardos ou Longobardos, lutou contra um gigante chamado Mugello, que aterrorizou a região de mesmo nome. O gigante usava uma clava, ou uma mazza, e deu vários golpes no escudo que Averardo de 'Medici usava para se defender. Essas marcas são os besante em vermelho, em francês: tourteau de gueules se dit aussi: guse, em italiano: la torta di rosso è detta anche: guse, as arruelas, vulgarmente bolas, em número de cinco, colocadas no campo do escudo de ouro.


Casa 'Medici.
Em português: Casa ou Dinastia Médici

Uma das mais famosas famílias da Europa, os protagonistas da história italiana do XV ao século XVIII.
Pouquíssimos são os primeiros registros sobre a família Medici, mas remontam ao século XII.
Considera-se que Giambuono de 'Medici, no século XII, foi seu fundador.
“Eram originalmente de Mugello (proprietários de terras da região), a área nordeste de Florença, que hoje inclui os municípios de Barberino di Mugello, San Piero a Sieve, Scarperia, Borgo San Lorenzo e Vicchio”.
Eram “ligados”, não consegui saber se eram vassalos, aos Ubaldin, nobres poderosos de Mugello.
A documentação afirma que eles já possuíam dois castelos de Castagnolo e de Potrone, na hoje localidade de Scarperia, em 1030.
Por causa do Castelo de Potrone é que há uma versão de que Medici, plural de Medico, em italiano, e por causa do castelão, no final do século XI, que se chamava Medico di Potrone.
Mais pelo sim, ou pelo não, eles eram já ricos agricultores.
Os Medici passaram a possuir uma propriedade de importância em Florença, città di Firenze, somente em 1169, onde e quando começaram realmente a buscar a ascenção social e prosperidade econômica, influência e poder, em nível italiano e europeu.  
É dessa época a Torre que construíram em São Tommaso (São Tomé), perto de Mercado Velho, hoje piazza della Repubblica e via de' Medici.
Disputaram com uma família Sizi, considerados nobres em Florença, o patronato da Chiesa di San Tommaso, Igreja de São Tomé, mas os grandes rivais dos Medici foram os meros da Família Albizzi.
Sabe-se que Giambuono de 'Medici, o fundador, no século XII morava nessa Torre.
E eles, estabelecidos bem, ricos no campo, seguiram a Ordenança do Senhor que consta no Livro de Genesis, capitulo 1, versículo 28:
“E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra”.
Fundaram o Banco Medici.


                                                             Giovanni di Bicci de' Medici

Giovanni di Bicci de' Medici, filho de Averardo de' Medici, um negociante rico, e di Jacopa (o Giovanna) Spini, (seria judia?), com seu tio, na realidade um primo de seu pai, Vieri di Cambio de' Medici, esse que “teve uma conduta irrepreensível e dedicou-se ao ativo financeiro, com o qual construiu uma enorme fortuna, e com isso criou um sistema bancário estruturado em grande escala, com filiais em várias cidades da Europa”, aprendeu o oficio de banqueiro, ou bancário, sendo até pelo parente feito sócio minoritário “del banco”.
Então, já com bastante pratica, e com o dote de Piccarda Bueri, sua mulher, Giovanni di Bicci de' Medici, assumiu a filial de Roma do Banco, ora Roma era a Sede do Papado, uma Instituição já riquíssima, um local mais do que estratégico para o desenvolvimento dos negócios financeiros.
Os filhos de Vieri di Cambio de' Medici, que havia se afastado dos negócios em 1393, seguiram à risca aquele dito que diz:
“Avô trabalhador, filho gastador, neto pobretão”.
Não levaram o Banco de Vieri adiante.
Com isso, em 1397, Giovanni di Bicci de' Medici volta de Roma e funda o Banco Medici.
Com um capital de 10 mil florins sendo "mais de metade de Giovanni e o restante de seus dois associados, Benedetto di Lippaccio de 'Bardi e Gentile di Baldassare Buoni”.
As finanças de Roma (recolher os dízimos para a Santa Sé, cobrando uma taxa de serviço sobre o montante), Florença e Veneza (os grandes mercadores e cias marítimas) se tornaram alvos preferencias do Banco Medici.
Logo outra agencia foi aberta.
Tiveram um tropeço, mas logo conseguiram corrigir o rumo.
Em 1402 foi fundada a primeira fábrica de tecidos de lã da família, mas o Banco já tinha sedes em Florença e funcionários (17) trabalhando a todo vapor.
Outra em 1408.
Abriram filial em Nápoles, e fecharam as de Genebra e Gaeta.
Funcionários se tornavam sócios minoritários para garantir assim a qualidade e honestidade no serviço, como foi o caso de um di Giuliano di Giovanni di ser Matteo, que deixou de ser um funcionário e passou a ser um acionista minoritário em 1408.
E por ai foram os negócios dos Medici com seus administradores:
Giovanni di Bicci, 1397-1420
Cosimo de' Medici, 1420-1464- che ereditò la fortuna paterna, costituita da 180.000 fiorini, il Banco Medici e numerosi terreni.
Piero di Cosimo, 1464-1469
Lorenzo de' Medici (il Magnifico), 1469-1492
Piero di Lorenzo (1492-1494)
Nas artes:
Giovanni di Bicci apoiou as artes e graças às suas grandes doações foi embelezado a cidade, contando com artistas como Filippo Brunelleschi, Filippo di ser Brunellesco Lapi, e Jacopo Della Quercia. A reestruturação da Basílica de San Lorenzo, destinado a se tornar a igreja da família Medici.
Encomendou a construção do Lo spedale degli Innocenti, um orfanato, a Filippo Brunelleschi. Enfim, usava seus recursos como forma de contentar, até certo ponto de bondade, para com seus concidadãos, para que eles tivessem, convivessem, desfrutassem, do Belo, diferentemente de seus Herdeiros que usavam a arte como instrumento político, para demostrar a supremacia, o prestigio, o poder, a riqueza da Família Medici.
Giovanni di Bicci de' Medici e Piccarda Bueri tiveram os seguintes filhos:
Cosimo di Giovanni de' Medici detto il Vecchio o pater patriae (1389-1464.Viveu 75 anos), “que herdou a fortuna de seu pai, que consiste de 180.000 florins, o Banco Medici e numerosas terras”.
Lorenzo di Giovanni de' Medici, detto Lorenzo il Vecchio (1394-1440. Viveu 40 anos), bancário com o irmão, membro dei Dieci di Balia, Embaixador em Veneza (cargo que facilitaria os negócios bancários), em Roma junto ao Papa Eugenio IV (cargo que facilitaria os negócios bancários), e em Ferrara. Por fim mudou-se definitivamente para a Santa Sé assumindo o cargo de “depositario delle entrate della Camera Apostolica”, Guardião da receita da Câmara Apostólica.
Antonio (m. 1398), morreu jovem.
Damiano (m. 1390), morreu jovem.



Cosimo, il Vecchio, o pater patriae

De Cosimo, il Vecchio, o pater patriae, em 1415, casou com casou com a Contessina de' Bardi, filha de Alessandro de' Bardi, ou Giovanni de' Bardi, há controvérsias sobre o nome do pai, e di Emilia Pannocchieschi. Os Bardi eram uma família de Florença de banqueiros e comerciantes que estavam decadentes, pois Eduardo III, Rei da Inglaterra não pagou o que devia a eles.
Tiveram dois filhos:
1-      Piero di Cosimo de' Medici detto il Gottoso, Pedro, o gotoso;
2-      Giovanni di Cosimo de' Medici (*Florença, 3 de Julho de 1421 - + Florença, 23 de Setembro de 1463. Viveu 42 anos) humanista, homem de cultura e patrono de muitos artistas da Renascença. Casou-se de Genebra de Alessandri, em 20 de janeiro de 1453, com quem teve um único filho, Cosimino, que morreu em 1459, com oito anos.
Um casamento feliz, apesar do país delas considerarem os Medici como “novos ricos”, e segundo os cronistas ela possuía “excelente qualidade de mãe e esposa, como segue: ‘Condessa de 'Bardi é uma boa esposa, totalmente dedicada ao cuidado da casa e as duas crianças’".
Além disso, era uma mulher de grandes qualidades humanas, tanto que aceitou o bastardo do marido, de nome Carlos, em sua casa.
Além disso, a condessa tinha que ter consideráveis ​​qualidades humanas, se ele concordou em aumentar em sua casa o filho ilegítimo de Cosimo, Carlo, filho de uma escrava do Cáucaso, e seu neto, Lorenzo, o Magnífico, tinha tanta admiração, tanta estima, tanto respeito, que deu seu nome a uma de suas filhas.
Piero di Cosimo de' Medici detto il Gottoso, Pedro, o Gotoso, filho dessa venerável senhora, senhor de facto Florence por cinco anos, casou com Lucrezia Tornabuoni, poetisa. “eu pai era Francesco di Simone Tornabuoni, um nobre de uma família que poderia traçar a sua linhagem de volta até 1.000 anos, e sua  mãe era Nanna di Niccolo di Luigi Guicciardini.
Ele era “um homem tão inteligente e amante das artes e da cultura, nove anos mais velho do que ela”.
Seus filhos foram:

Branca
 Casou com Guglielmo de' Pazzi- político influente. Da rica e importante Família de’ Pazzi.
Casou com Bernardo Rucellai, escritor e humanista italiano, da rica família de Rucellai.
Lorenzo di Piero de' Medici, detto Lorenzo il Magnifico. Senhor de Florença.
Pai de Giovanni di Lorenzo de' Medici, que se tornou o Papa Leão X.
Pai de Giuliano di Lorenzo de' Medici, Duca di Nemours, que casou com Filiberta di Savoia. Da Casa Savoia, Filippo II di Savoia, detto Filippo senza Terra, e de Margherita di Borbone. Pelo casamento tio de Francisco I, Rei de França.
Casou com a nobile donna Clarice Orsini, e mãe de Papa Leão X e do Duque de Nemours.
Filha de Giacomo Orsini, signore di Monterotondo, Maddalena, filha de Charles de Bracciano e irmã do Cardeal Latino Orsini.
Giuliano di Piero de' Medici
Assassinado durante a Conspiração dos Pazzi. Ele tinha um filho ilegítimo com Fioretta Gorini de nome Giulio Zanobi di Giuliano de' Medici, que se tornou o Papa Clemente VII
Filho
Nome e data de nascimento desconhecido, morreu na infância
Filho
Nome e data de nascimento desconhecido, morreu na infância


Os casamentos dos Medici foram, sem dúvida nenhuma, alianças matrimonias dentro da famosa política de casamentos vantajosos, uma pratica da aristocracia de todos os tempos.
Mais, vamos falar de



Os filhos de Lorenzo, (a partir da direita) Giuliano com seu tutor Poliziano, Piero e Giovanni.
Cappella Sassetti
chiesa di Santa Trinita a Firenze.
Domenico Ghirlandaio
Nato Domenico Bigord
Firenze, *1449 – Firenze, + 11 gennaio 1494

 Lorenzo di Piero de' Medici, detto Lorenzo il Magnifico, e a nobildonna Clarice Orsini, tiveram mais filhos e filhas já citados:
Nome
Nascita
Morte
Note
Lucrezia di Lorenzo de' Medici
4 agosto 1470
novembre 1553
Casou em 10 de setembro 1486 com Jacopo – que dedicou-se em sua juventude para assuntos econômicos da família, adquirindo uma grande riqueza, e em seguida, passou para a política. Foi uma união de prestígios para os Medici. Foi embaixador em Roma. Um dos conselheiros do Papa Clemente VII
FATO IMPORTANTE: São pais de Maria Salviati (17 de Julho 1499 – 1543)), casou-se com Giovanni de 'Medici (o famoso líder Giovanni dalle Bande Nere ). Seu casamento foi especialmente importante, porque dele nasceu o Ramo cadete da família de ' Medici, que acabou se tornado o mais importante, já que seu filho, Cosimo, foi chamado para liderar Florença após a morte Alessandro di Lorenzo de' Medici, detto il Moro, Duque de Penne, governante de Florença, em seguida, o primeiro duque de Florença, filho ilegítimo de Lorenzo II de Médici, neto de Lorenzo, o Magnífico, que com sua morte extinguiu o ramo principal dos Medici.
Due gemelli senza nome
marzo 1471
marzo 1471
Morti poco tempo dopo il parto
Piero di Lorenzo de' Medici, detto il Fatuo o lo Sfortunato
O Azarado, o Desafortunado.
15 febbraio 1472
28 dicembre 1503
Casou com Alfonsina - nobildonna italiana, figlia di Roberto Orsini, Conte di Pacentro e Caterina Sanseverino.
FATO IMPORTANTE: São os avós de Catarina de Medici, Rainha consorte de França, para mim a Grande, por seu filho, Lorenzo di Piero de' Medici duca di Urbino. Duque de Urbino por elevação do Papa se seu tio, Papa Leão X.
Lorenzo casou com Madeleine de la Tour d'Auvergne, no Château de Amboise, 5 de maio de 1518, uma Dame de alta linhagem, relacionada com a Casa Real de França.
Com a morte de Lorenzo, sua esposa morreu poucos dias depois, o Ducado foi devolvido a seus donos, os Della Rovere.
O que fez Catarina ser criada primeiramente num convento de freiras, depois na Corte Papal, onde recebe uma educação refinadíssima, já que seu tio foi eleito Papa com o nome de Clemente VII.
Ela era a rica herdeira dos bens dos Medici, e seu dote ajuda a preencher as dívidas das finanças reais em França. Francisco e o Papa a casaram com o segundo filho do Soberano, Henrique, Duque d’Orleans, que com a morte do Delfin se tornou Henrique II, Rei de França.
Maddalena di Lorenzo de' Medici
24 luglio 1473
dicembre 1528
Sposò Franceschetto Cybo - filho ilegítimo (regularmente legitimado), o Papa Inocêncio VIII (Giovanni Battista Cybo. De uma antiga família genovesa). Foi comumente conhecido como Franceschetto para sua pequena estatura.
Contessina Beatrice
23 settembre 1474
settembre 1474
Morta poco tempo dopo il parto
Giovanni di Lorenzo de' Medici
11 dicembre 1475
1º dicembre 1521
Cardinal, depois Papa Leão, Leone X, Cardinale diacono di Santa Maria in Domnica, Cardinale protodiacono, 217º papa della Chiesa cattolica
Luisa de' Medici, detta anche Luigia
25 gennaio 1477
luglio 1488
Prometida em casamento a seu primo, Giovanni di Pierfrancesco de' Medici, detto il Popolano, Lorenzo "o camponês", mas morreu aos 11 anos. Giovanni casa com Caterina Sforza, e têm um filho, Giovanni dalle Bande Nere oppure delle Bande Nere, ou Giovanni di Giovanni de' Medici, acima citado, por seu casamento com Maria Salviati.
Contessina de' Medici
Molto amata dal padre, aveva il nome della bisnonna Contessina de' Bardi.
Muito amada por seu pai, tinha o nome da bisavó Contessina de 'Bardi.
16 gennaio 1478
29 giugno 1515
 Casou em maio 1494 com o Conde Palatino Piero Ridolfi (1467-1525) mais um casamento de prestígio para Casa de Medici.
Pais de Niccolò Ridolfi, Cardinale diacono dei Santi Vito e Modesto, Cardinale diacono di Santa Maria in Cosmedin, Cardinale diacono di Santa Maria in Via Lata, Arcivescovo di Firenze e de outras cidades.
Giuliano di Lorenzo de' Medici, Duca di Nemours, por serviços prestados à corte do rei francês Louis XII, embora nunca recebeu a investidura oficial pelo Rei por causa de sua morte prematura. Nobile romano, Vigário de Soragna, o governador perpétuo Parma, Piacenza, Reggio Emilia e Modena, e Capitão Geral da Santa Igreja Romana,
12 marzo 1479
17 marzo 1516
Casou com Filiberta di Savoia, décima filha de Philip II de Savóia, o sexto com Claudine de Brosse. Ao nascer Filiberta foi Marquesa de Gex, senhora de Fossano, de Bridiers, de Thors, de Fletz, de Chasey, de Poncin e Cerdon.
Tia do Rei francês Francisco I, como a irmã de sua mãe, Louise de Savóia.
Mais um casamento de prestígio para Casa de Medici



Alessandro di Lorenzo de' Medici, detto il Moro, e Margherita d'Austria.
Duque de Penne, governante de Florença, em seguida, Duque de Florença
Suas feições são negroide
Alessandro, il moro, casou com Margherita d'Austria, Margarida d’Áustria, filha ilegítima de Carlos V, Imperador do Sacro Império Romano-Germânico. Foi Duquesa consorte de Florença, Duquesa por direito próprio de Parma e Piacenza e governadora dos Países Baixos.



Um retrato póstumo de Lorenzo
Giorgio Vasari
Pintor italiano, arquiteto, escritor e historiador
Século XVI
Galleria degli Uffizi
Florença.

Rapidinho sobre Lourenço, o Magnifico:

« Quant'è bella giovinezza, Che si fugge tuttavia! Chi vuol esser lieto, sia: di doman non c'è certezza »

Tradução Livre:
"Como a juventude bonita,
Que todavia foge!
Quem quer ser feliz, seja:
Pois do amanhã não há certeza "

(Lorenzo de Médici, Canti Carnascialeschi , Canzona de Baco )

Lorenzo di Piero de 'Medici, chamado Lorenzo, o Magnífico (*Florença, 1 de Janeiro de 1449 - +Careggi, 8 de Abril de 1492) foi um político, escritor, patrono e humanista italiano, senhor de Florença a partir de 1469 até a morte, pertencente à dinastia do Medici. Lorenzo foi um dos políticos e intelectuais das mais importantes do Renascimento, poeta, estadista e membro dell' Accademia neoplatônica.
Il concetto di magnificenza, ou O conceito de magnificência:
O cognome com o qual Lorenzo de Médici entrou para a Grande História da Humanidade, não só da Italiana, nem tão pouco só da florentina, ou seja, di Magnifico, tem um compente filosófico muito forte, que tem suas raízes na cultura grega e latina.
Primeiro delineada por Aristóteles em sua Ética Eudêmia, e depois por Seneca em De Vita Beata
 A “magnificência” se tornar um atributo, um predicado, uma qualidade, de quem faz o uso de sua riqueza pessoal no desenvolvimento da Educação, do Belo, da Arte, da Cultura, na sua Sociedade, em sua própria Comunidade, segundo Cristoforo Landino (* Florença, 1424 - + Borgo Collina, 24 de setembro de 1498) filósofo, humanista, figura importante no Renascimento florentino, entre outros.
“Portanto, a promoção das artes em Florença e sua política de exportação dos artistas brilhantes, como Michelangelo, Leonardo da Vinci, Sandro Botticelli, entre outros, foi um poder político e esplendor que aumentou a importância política de Florença”.
Lorenzo il Magnifico será tema de uma conversa especial proximamente.


L'angelo appare a Zaccaria
Ou
Apparizione dell'angelo a Zaccaria
la cappella maggiore della basilica di Santa Maria Novella a Firenze
Retratos dos membros dell'Accademia neoplatonica, Marsilio Ficino, Cristoforo Ladino, Agnolo Poliziano Demetrios Chalkokondyles ou Gentile de 'Becchi
La cappella Tornabuoni

Cardeais da Familia Medici:
Ippolito de' Medici, nominado por Clemente VII, em 1529, morto em 1535
Giovanni de' Medici, depois Papa Leone X, nominado por Innocenzo VIII em 1488
Alessandro de' Medici, depois Papa Leone XI, nominado Cardeal em 1583 por Gregório XIII
Giovanni de' Medici
Ferdinando I de' Medici
Carlo de' Medici
Giovan Carlo de' Medici
Leopoldo de' Medici
Francesco Maria de' Medici
Giulio de' Medici, depois papa Clemente VII

Cardinais Medici por descendência materna:
Niccolò Ridolfi (1501-1550), filho da Contessina de' Medici
Giovanni Salviati (1490-1553), filho da Lucrezia de' Medici
Bernardo Salviati (1492-1568), filho da Lucrezia de' Medici
Innocenzo Cybo (1491-1550), filho da Maddalena de' Medici
Luigi de' Rossi (1474-1519), filho da Maria di Piero de' Medici
Lorenzo Strozzi (1523-1571), filho da Clarice de' Medici
Ferdinando Gonzaga (1587-1626), filho da Eleonora de' Medici
Vincenzo II Gonzaga (1594-1627), filho da Eleonora de' Medici

O que faz da Casa Medici pertencer a Nobreza da Santa Sé, sem dúvida nenhuma.
Todavia havia Florença, e a Toscana.


CASA MEDICI 2 - CONTINUAÇÃO. 
Soberanos da Toscana:

Duques de Florença e Grão- Duques da Toscana.