segunda-feira, 27 de abril de 2015

171- Ricardo Plantageneta de York- conversa – “A GUERRA DAS ROSAS” - B

le duc Richard,représenté sur un vitrail de l'église St. Laurence à Ludlow
 Ricardo Plantageneta de York
Vitrais da Igreja de São Lourenço (St. Laurence) em Ludlow
Shropshire , Inglaterra, fronteira com o País de Gales.

171- Ricardo Plantageneta de York- conversa – “A GUERRA DAS ROSAS” - B

Ambicionar:
Significado de Ambicionar
v.t.d. Desejar com muita força; querer em excesso; possuir ambição: o ator ambicionava a fama
Pretender; buscar empenhadamente; ter como objetivo: ambiciona passar no vestibular para medicina

Ambição:
Significado de Ambição
s.f. Desejo desmedido pelo poder, dinheiro, bens materiais, glórias etc; cobiça: só conseguiu ser rico porque sempre teve ambição.
Obstinação intensa para conseguir determinado propósito; vontade de alcançar sucesso; pretensão: tinha a ambição de um dia ser cantor.
(Etm. do latim: ambitio.onis)
Ambicioso:
Significado de Ambicioso
adj. Que expressa ambição; que deseja poder ou riquezas; que tem vontade de alcançar certo objetivo.
Arrojado; que é corajoso; cujo desenvolvimento depende de muita habilidade: objetivo ambicioso.
s.m. Indivíduo que demonstra ambição ou cobiça: sempre foi um ambicioso.
(Etm. do latim: ambitiosus.a.um)

"A ambição é uma paixão tão imperiosa no coração humano, que, mesmo que galguemos as mais elevadas posições, nunca nos sentimos satisfeitos."
Nicolau Maquiavel
" Os homens quando não são forçados a lutar por necessidade, lutam por ambição."
 Nicolau Maquiavel
“Já ética são os limites que você se impõe na busca de sua ambição”.
Stephen Kanitz

Cobiçar:
Significado de Cobiçar
v.t. Desejar com avidez; apetecer ardentemente; ambicionar: cobiçar a fortuna.
Cobiçoso:
Significado de Cobiçoso
adj. Que possui uma vontade intensa de conseguir alguma coisa; ambicioso.
Que contém ou é instigado pela cobiça: comportamento cobiçoso.
s.m. Indivíduo que cobiça intensamente alguma coisa.
pl. metafônico. Pronuncia-se: /cobiçósos/.
(Etm. cobiç(a) + oso)



Ambicionar e Cobiçar são sinônimos, só que um é mais pernicioso do que o outro.
O cobiçoso prejudica, ocasiona danos, é nocivo, é ruinoso, é maléfico, e acima de tudo é muito perigoso.
Na Bíblia vemos o verbo cobiçar nas mais variadas formas de sua conjugação, entre elas:
Êxodo: 20, versículo 17 - Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo
Jó: 20, versículos 20 e 21 -  Por não haver limites à sua cobiça, não chegará a salvar as coisas por ele desejadas. Nada escapou à sua cobiça insaciável, pelo que a sua prosperidade não durará.
Salmos:
a-      10, versículo 3 - Pois o perverso se gloria da cobiça de sua alma, o avarento maldiz o SENHOR e blasfema contra ele.
b-      106, versículo 14 -   entregaram-se à cobiça, no deserto; e tentaram a Deus na solidão.
c-       119, versículo 36 -   Inclina-me o coração aos teus testemunhos e não à cobiça.
Provérbios: 21, versículo 26 -   O cobiçoso cobiça todo o dia, mas o justo dá e nada retém.
Eclesiastes: 6, versículo 9 -  Melhor é a vista dos olhos do que o andar ocioso da cobiça; também isto é vaidade e correr atrás do vento.
1 Timóteo: 6, versículo 10 -  Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores.
Tiago:
A-     1, versículos 14 e 15-   Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz.   Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte.
B-      4, versículo 2:   Cobiçais e nada tendes; matais, e invejais, e nada podeis obter; viveis a lutar e a fazer guerras. Nada tendes, porque não pedis.

Ricardo era um cobiçoso, um ambicioso, se tornou o 3º Duque de York pela morte de Eduardo de Norwich, segundo Duque de York, primeiro Conde de Rutland (morto em ação na Batalha de Agincourt, grande vitória inglesa nas Guerra dos Cem Anos), seu tio paterno.
Ricardo de York era filho de Richard de Conisburgh, Conde de Cambridge, e Anne Mortimer.
O Versículo 2, do capitulo 4 – A origem das Contendas – “Cobiçais e nada tendes; matais, e invejais, e nada podeis obter; viveis a lutar e a fazer guerras” caia como uma luva nele ou para ele.
Era de nascimento da Casa de York, fundada por seu avô, Edmund de Langley, primeiro Duque de York, primeiro Conde de Cambridge, filho mais novo do Rei Eduardo III de Inglaterra, um membro da Casa dos Plantagenetas diretos, e Filipa de Hainaut.
Portanto, Ricardo, 3º Duque de York, era bisneto de um Plantageneta, mas por ambição adotou o nome Plantageneta, há muito em desuso na família real. Ele queria marcar ponto com esse sobrenome histórico para os ingleses de todos os tempos.
Era costume entre a nobreza da Inglaterra, o recém-nascido receber o nome do local onde nasceu, vou dar um exemplo:
O pai de Richard de Conisburgh, Conde de Cambridge, nasceu em Conisbrough Castle, que era propriedade de seu pai, Edmund de Langley, primeiro Duque de York, que o recebeu de presente do Rei Eduardo III de Inglaterra, daí o nome Richard de Conisburgh e não de seu condado que era Cambridge.  
Pelo histórico Ricardo, 3º Duque de York, teve ter nascido nesse Castelo, portanto deveria ser chamado de Richard de Conisburgh, mas não o foi por causa do pai, que, também, era Ricardo.
Mais, pelo sim, ou pelo não, o ambicioso Ricardo se tornou Ricardo Plantageneta, e por herança além de 3º Duque de York, Conde de Rutland, de March, d'Ulster e de Cambridge.
Recebeu sem fazer força para ser nobilitado e eu vou chama-lo de Ricardo Plantageneta de York.
Uma explicação que se faz necessária:
Rei Eduardo III de Inglaterra e Filipa de Hainaut tiveram vários filhos, o terceiro homem foi:
Lionel de Antuérpia, primeiro Duque de Clarence que casou com e Elizabeth de Burgh, 4 º Condessa de Ulster, 5 º Baronesa de Connaught, que tiveram filhos, sendo um deles:
Filipa, 5 º Condessa de Ulster, que casou com Edmund Mortimer, 3º Conde da March.
O Ricardo II, ou Richard de Bordeaux, Rei da Inglaterra, não tinha filhos, e Filipa, sua prima, foi dada como Herdeira Presuntiva da Coroa da Inglaterra.
Filipa, Herdeira Presuntiva, e Edmund Mortimer, 3º Conde da March, tiveram filhos, entre eles
Roger de Mortimer, 4º Conde da March, e 6 º Conde de Ulster, que da mãe herdou a condição de Herdeira Presuntiva da Coroa da Inglaterra por morte do Rei Ricardo II.
Arvore genealógica a partir de Roger de Mortimer:

  

Richard de Conisburgh, 3 º Conde de Cambridge, foi decapitado por sua participação na The Southampton Plot, Complô de Southampton, uma conspiração que tramava o assassinato do Rei Henrique V no porto de Southampton, para colocar no Trono Edmund Mortimer, 5 º Conde da March, bisneto de Lionel, primeiro Duque de Clarence, já citado acima.
Recapitulando:
Anne Mortimer, era irmã de Edmundo, 5 º Conde da March, e 7 º Conde de Ulster, Herdeiro Presuntivo, que ao falecer em 18 de janeiro de 1425, de peste negra, na Irlanda, no cargo de “Lord lieutenant d'Irlande, não tinha filhos, por isso todos os Títulos e pretensões passaram para o sobrinho, Ricardo Plantageneta, 3 º Duque de York.
Daí que....
Ricardo Plantageneta de York, que por herança além de 3º Duque de York, Conde de Rutland, de March, d'Ulster e de Cambridge, tornou-se, por herança do tio materno, Edmundo, 5 º Conde da March, e 7 º Conde de Ulster, o Herdeiro Presuntivo do Trono da Inglaterra...

A ambição lhe dominou, a cobiça se fez presente....

Continua....


Armas de Ricardo Plantageneta de York.